© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Breve história da FACHA

Disseram para o filho de operário, imigrante, pobre, que ele jamais entraria para uma faculdade. Determinado, entrou, não para uma, mas para duas faculdades, se formando nas duas ao mesmo tempo! Não satisfeito, construiu uma das maiores organizações educacionais do Rio de Janeiro. Esse obstinado era Hélio Alonso.

 

 

Em dezembro de 1971, ele abriu, em Botafogo, a Faculdade de Comunicação Hélio Alonso (FACHA), inicialmente em apenas duas salas alugadas ao Colégio Imaculada Conceição. Em plena ditadura, o professor e empresário Hélio Alonso fez questão de fazer da nova instituição um ambiente de ensino e transformação, onde os alunos se sentissem livres e protegidos, e professores pudessem ensinar com autonomia. Passados quase 50 anos, hoje a FACHA é referência na formação acadêmica, com 12 cursos de graduação e um diversificado portfólio de cursos de extensão e de pós-graduação.

 

Inaugurar uma faculdade privada de Comunicação, numa época de censura e repressão política, poderia parecer loucura para qualquer um. Mas Hélio Alonso estava longe de ser qualquer um. Filho de um operário imigrante pobre da província espanhola de Cádiz, Hélio aprendera, desde cedo, a lutar muito por seus objetivos. Precisou trabalhar desde os 14 anos e só conseguiu terminar o clássico – equivalente ao ensino médio – em 1949, aos 21 anos, no extinto Colégio Juruena, em Botafogo. Como o objetivo seguinte era entrar para a Faculdade Nacional de Direito – hoje uma das faculdades da UFRJ –, resolveu prestar concurso público para conciliar trabalho com os estudos. Em um ano, aprendeu latim – na época, um pré-requisito para cursar Direito – e, em 1950, foi aprovado para a faculdade. Cursava Direito à noite e, aproveitando as manhãs livres, começou a cursar também Letras, na PUC. Em 1955, formou-se nas duas faculdades.

 

Quando o projeto da FACHA surgiu, Hélio Alonso já era referência na educação carioca. Seu curso de pré-vestibular era líder em aprovações, e as aulas de latim, com método desenvolvido pelo próprio Hélio Alonso, eram frequentadas até por alunos de outras escolas. Na visão de Hélio Alonso, a escola deveria ser “construída pelo diálogo e aberta à comunidade”. Dentro desse espírito, o Festival de Música Hélio Alonso era um espaço democrático raro. Daquela alegre balbúrdia que teve 44 edições consecutivas, participaram alguns jurados ilustres, como Paulo César Pinheiro, Emílio Santiago, Gonzaguinha, Sandra de Sá, Leiloca, Caetano Veloso, Emilinha Borba, Paulinho da Viola, João Nogueira, Milton Nascimento, Clóvis Bornay, Clementina de Jesus, Elba Ramalho, Elza Soares, Baden Powell, Elke Maravilha e Chacrinha.

 

 

Diretas Já!

 

 

A FACHA nasceu em meio àquela efervescência cultural de tempos políticos conturbados. E Hélio Alonso não admitia interferências externas naquele espaço de saber. Não aceitou a presença de agentes infiltrados do Serviço Nacional de Inteligência; contratou bons professores, que não conseguiam emprego por causa da fama de esquerdistas; e não se opôs nem mesmo quando estudantes deram ao seu diretório o nome de Vladimir Herzog, em homenagem ao jornalista preso, torturado e morto pelo regime. Ou quando estudantes e professores da faculdade se uniram à multidão no comício das Diretas Já, na Candelária, em 1984. Ou ainda quando o diretório estudantil criou o “quarto turno”,

série de oficinas, laboratório de jornalismo e eventos culturais que ocorriam na faculdade após as dez da noite, incluindo shows de estreantes da MPB como Cássia Eller, Zélia Duncan, Leila Pinheiro (foto), Leo Gandelman, Rafael Rabello, Claudio Nucci e os grupos Blues Etílicos e Garganta Profunda.

 

Hélio Alonso, o Magistrorum magister – “Mestre dos mestres”, como era carinhosamente chamado –, morreu em 2015, mas deixou um legado impressionante. Desde o início, na década de 1950, as empresas do grupo* formaram dezenas de milhares de profissionais reconhecidos nas áreas em que atuam. Pela FACHA passaram futuros profissionais de destaque como Artur Xexéo, Renata Boldrini, Genilson Araújo, Ancelmo Gois, Fernanda Young, Isabela Scalabrini, Léo Jaime, Marcelo Yuka, Marcos Uchôa, Mylena Ciribelli, Renata Caputti e Tim Lopes.

 

Nada mal para um filho de operário que acreditava no poder transformador da Educação.

 

* Organização Hélio Alonso de Educação (OHAEC), mantenedora do grupo, Colégio Hélio Alonso-Botafogo, Colégio Hélio Alonso-Méier, FACHA-Botafogo e FACHA-Méier.

Pátio da FACHA-Botafogo

 

 

Leila Pinheiro, vencedora do Festival Hélio Alonso de Música, em apresentação no pátio da FACHA (1990)

Fotos cedidas  pelo Arquivo Foto FACHA

Fonte de pesquisa: “Hélio Alonso: a biografia de um visionário da educação”. Rio de Janeiro: Outras Letras, 2016 

 

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Guerra e Paz

O endereço mais famoso de Botafogo

Botafogo nas telas de pintores viajantes

Sorriso negro de Botafogo

Tráfico ilegal de escravos em Botafogo

O historiador caboclo de Botafogo

Jacob do Bandolim em Botafogo

Um regente do Império em Botafogo

Desaparecido

Tragam seus mortos

Solo sagrado de Botafogo

Craque com fama de rebelde

Pasmado - histórias e polêmicas

Poder e loucura

Quem foi rei nunca perde a majestade

Os irmãos Farani

Elizeth Cardoso, a Divina, morou em Botafogo

Cemitério de celebridades

Negócios e cavalos

Bambina

D. Pedro I se regenerou em Botafogo

Tragédia em Botafogo

Genocídio indígena

Abílio Borges, educador do século 19

Um aventureiro em Botafogo

Solar da Fossa

Pasquim

O Teatro Jovem e o Rosa de Ouro

Barbosa Lima Sobrinho, um democrata

O encontro do professor com o militar

Um malandro em Botafogo

O crime da Praia de Botafogo

O Marechal Niemeyer

A mais antiga sinagoga do Rio fica em Botafogo

E o mundo inteiro ouviu Tim Maia

Águia de Haia

Uma igreja, dois santos e muita história

Os 90 anos do Colégio Brasileiro de Cirurgiões

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload