© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Samba Zona Sul

19.08.2019

 

 

Era uma vez um tempo em que crítico musical era uma espécie de profissão.

 

Tinham opinião nas mídias escrita e televisiva; formatavam gostos mediante vasto conhecimento musical – e cultural – daqui e de alhures. E, como esse boom da crítica musical na chamada grande mídia se deu ali pelos idos de 1970/1980, o assunto predileto era mesmo o tal de rock’n' roll.

 

Assim foi com Ezequiel Neves – que esbanjou talento no imponente magazine internacional Rolling Stones; foi assim também com Luiz Carlos Maciel – e suas psicodélicas publicações acerca da questão musical. E quem – com mais de 35 anos – não se recorda das clássicas aparições de Tárik de Souza e sua indefectível barbicha na TV, comentando a pauta musical local e do mundo?

 

Contudo, mesmo sendo “do rock”, Tárik em suas crônicas – sempre bem fundamentadas de erudito saber musical – traz histórias importantes do mundo do samba, assim como nos faz lembrar a origem e a sofisticação de vários nomes nobres do gênero:

Criado no bairro intermediário de Botafogo, Paulinho conviveu no finado Solar da Fossa com Caetano Veloso, Gal Costa, Capinan e outros tropicalistas. Sua obra, no delta entre o choro e o samba, foi salpicada de vanguardismos (...)

 

Ao evocar Paulinho e sua viola, o crítico, em seu Tem mais samba: das raízes à eletrônica, recorda que não vem de hoje a desconfiança que causa o samba nascido na Zona Sul.

 

Daí o inusitado do bordão bordado a mão por Walter Alfaiate:

"Salve a zona sul, meu Senhor/ foi Botafogo que chegou."

 

Lembra-nos Tárik a respeito deste samba que

O abre-alas soaria estranho e até fora de propósito para os que delimitam a geografia do samba aos redutos de Mangueira, Estácio (...)”

 

No entanto, o cronista é taxativo ao localizar no bairro um das fontes originárias da modalidade pagode – assim como seus grandes ícones:

Mas, alto lá. Botafogo do Cantinho da Fofoca, um dos focos geradores do pagode de raiz, nos deu o Príncipe do Samba, Paulinho da Viola (...) e Walter Alfaiate, que inclui a ode ao bairro no pot-pourri de encerramento de seu segundo CD.

 

Bezerra da Silva, que até o final da vida fora morador do bairro, é quem lapidaria mais uma pérola de Botafogo, a comprovar que o tal samba-zona-sul tem a mesma cor das raízes do samba:

Discípula de Bezerra da Silva, Jovelina Farias Belford, a Pérola Negra, falecida precocemente aos 54 anos, em 1998, nasceu em Botafogo, mas se criou no Império Serrano e começou a carreira de pagodeira no Vegas Sport Clube, em Coelho Neto.

 

E, assim como deu vasto testemunho da vida do samba, o bairro também testemunharia boa fração de sua morte.

Tárik, em Tem mais samba, rememora onde foi que o grande Silas de Oliveira encontrou afinal seu desfecho:

Morreu durante uma roda de samba no clube Asa, em Botafogo.

Como todo bom sambista.

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

Bruxarias

Tamanho GG

Conexões

5 vezes Ditadura

Capitães-comunistas

Ação e reação

Samba do Ernesto

NUNCA MAIS!

Verdugos

Culatra

Dos Arroios à Conde de Irajá

Esculacha não!

Rock horror

Randevu em Botafogo

Ana

Gitano

Bastardo

Estrelas

Por que morrem os poetas?

Mama África

Quase Ministro

Baby face

O osso da bossa

República de Botafogo

Última forma, Cavalão!

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload