© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Última forma, Cavalão!

05.08.2019

 

 

No bizarro jargão militar, a expressão última forma, dentre outras várias coisas, pode significar: voltar atrás em ordem dada, interromper uma ação, revogar um comando, abortar uma missão.

 

Nosso personagem passou 15 anos no quartel: março 1973 a dezembro 1988.

 

Pouco antes de entrar para a reserva compulsória – e com apoio de renomado veículo de comunicação –, faz publicar um controverso artigo, intitulado “O salário está baixo”.

 

A referida publicação vem a transgredir dois pilares da estrutura militar: disciplina e hierarquia. Falta grave, portanto. Como resultado, pega 15 dias de prisão:

(...) contou que foi sem uniforme à sucursal da revista em Botafogo — na rua da Passagem, 123, 9º andar. Levou a farda na bolsa, lá a vestiu e posou para uma série de fotos. O artigo tinha sete parágrafos e era um petardo, até então inédito de um oficial da ativa contra as autoridades militares (...)

 

Neste episódio – e de maneira inadvertida –, o então tenente obteria seus primeiros 15 minutos de fama.

 

Viveríamos para constatar que esta espécie de famigeração – mais de 30 anos depois – se repetiria em sua história.

 

E de forma patética para a história nacional.

 

Na Academia militar seu apelido de guerra era Cavalão. Hoje podemos deduzir por quais motivos.

 

Só para se ter uma ideia do nível cognitivo – e humano –, o oficial Cavalão passou no exame da Academia com 5,1 em História e 5,3 em Português. Isto é: raspando.

 

Apenas um ano depois do polêmico artigo e do pessoal agradecimento ao notório meio de comunicação –,

(...) no dia seguinte contou que depois da prisão disciplinar voltou à sucursal de Veja em Botafogo para agradecer (...) pelo artigo e pelas cartas publicadas em edições subsequentes.

 

fanfarrão e insubordinado que sempre fora, Cavalão já estava envolvido no escandaloso episódio do plano Beco sem saída, no qual, junto a outros aloprados oficiais, planejara explodir bombas por várias unidades militares país afora.

 

Era puro terrorismo. E de Estado. Como o do Riocentro.

 

Claro que Cavalão não passava de “massa de manobra”, pois tais ações eram protegidas por colegas de farda – alguns já “de pijama” – insatisfeitos com a onda da tal redemocracia.

 

Muitos desses colegas, inclusive, circulam pela República ainda hoje.

 

Ocorre é que Cavalão não privava lá de muita inteligência. E tudo foi bombasticamente revelado e publicado por Veja, que perseguiu – até desmascarar – as eternas mentiras de Cavalão.

 

O corporativismo militar o preservara da “cana”, contanto que apressasse sua saída da caserna.

 

Pedisse para sair. Desse baixa. Última forma na carreira.

 

Escapando da severa condenação militar – e sempre com a ajuda de “forças ocultas” –, Cavalão imediatamente consegue eleger-se vereador. E blá-blá-blá.

 

O personagem Cavalão é protagonista de O cadete e o capitão: A vida de Jair Bolsonaro no quartel, em que o jornalista investigativo Luiz Maklouf Carvalho nos traz à luz a bizarra cavalgada do zero um da República.

 

Digo: trajetória.

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

Bruxarias

Tamanho GG

Conexões

5 vezes Ditadura

Capitães-comunistas

Ação e reação

Samba do Ernesto

NUNCA MAIS!

Verdugos

Culatra

Dos Arroios à Conde de Irajá

Esculacha não!

Rock horror

Randevu em Botafogo

Ana

Gitano

Bastardo

Estrelas

Por que morrem os poetas?

Mama África

Quase Ministro

Baby face

O osso da bossa

República de Botafogo

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload