© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

República de Botafogo

29.07.2019

 

 

Houve um tempo em que jornalistas eram bem credenciados; fontes eram preservadas; medias mediavam; news que eram fakes não se sobrepunham aos fatos; e até políticos mantinham algum quê de hombridade.

 

Mas galinhas não tinham dentes. E tampouco marrecos falavam.

 

No tocante à política tupiniquim – ainda que outrora adornada por inteligências capazes de ir bem além de simples conversões monetárias referentes à compra de bijous de nióbio, ou da pronúncia correta para o equivalente jurídico de consorte – pouca coisa mudou.

 

O jornalista Sebastião Nery, em Folclore Político, traz passagens hilárias das mirabolâncias políticas da nação.

 

Logo nas primeiras histórias, lembramos que Juscelino fora seminarista e que a expressão “o petróleo é nosso” tinha sido cunhada em 1953, por estudantes mineiros em passeata. Por exemplo.

 

Ficamos sabendo também que, nos moldes de JK, já houve vida inteligente na política nacional. E parte dela passou pelo bairro carioca:

Na rua Dona Mariana, Botafogo, Rio, vestido de imensas árvores, um casarão solene abrigou outrora uma das mais poderosas inteligências políticas do Brasil: o professor Santiago Dantas.

 

Dantas fora Ministro da Fazenda.

 

Conta Nery, dentre mais de 1.500 fantásticas histórias de bastidores da República, que as vísceras da conspiração militar de 1964, envolvendo todos os canalhas da época, começara já no primeiro dia do governo JK.

 

 

E, num tempo em que jornalistas investigativos protagonizavam a história, o autor de Folclore Político estaria visceralmente envolvido em outra tramoia – e que passaria também pelo bairro:

O pretexto era lutar contra Lacerda. Mas, quando eu li o projeto, compreendi, imediatamente, que o estado de sítio era contra nós. Telefonei para o Santiago Dantas. Morávamos perto. Eu na Voluntários da Pátria, ele na Dona Mariana.

 

Sebastião Nery nos revela que o ministro Dantas, antes de assumir a pasta, foi sondado pelo presidente sobre qual seria sua preferência – Fazenda ou Justiça:

(...) prefiro a Fazenda. Pela Constituição, o Ministério da Justiça é a pasta da política e da segurança. Mas hoje, está transformado no Ministério das Naturalizações (...) Não quero ser o ministro das Naturalizações.

 

A desordem total da Justiça, refletida na desilusão crítica de políticos escrupulosos, é ponto central dos relatos finais do livro.

 

E onde ministros de Justiça e Fazenda, naquele então, sentaram-se para atestar a impotência – em resenha hoje quase sexagenária – de nossa triste República?

(...) foi ali, no casarão solene da Dona Mariana, que, em 1963, já doente, Santiago recebeu a visita do Ministro da Justiça (...), Abelardo Jurema. Cansado, amargurado, desiludido com a incompetência dos dirigentes nacionais (políticos, econômicos e militares).

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

Bruxarias

Tamanho GG

Conexões

5 vezes Ditadura

Capitães-comunistas

Ação e reação

Samba do Ernesto

NUNCA MAIS!

Verdugos

Culatra

Dos Arroios à Conde de Irajá

Esculacha não!

Rock horror

Randevu em Botafogo

Ana

Gitano

Bastardo

Estrelas

Por que morrem os poetas?

Mama África

Quase Ministro

Baby face

O osso da bossa

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload