© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Quase Ministro

25.06.2019

 

A estrutura política de nossa República se constituiu na base do apadrinhamento e do favor, isto é: o cunhadismo, o coronelismo, o compadrismo compõem a engrenagem que move a máquina dos poderes republicanos – quer seja o Legislativo, o Executivo ou o Judiciário.

 

Em outras palavras: o famigerado toma-lá-dá-cá – e suas funestas circunstâncias sociais – formata nosso ethos político desde as origens.

 

A despeito de toda e qualquer bravata de ocasião.

 

Que rábula pretensioso não almejaria, p. ex., a pasta da Justiça? Afinal, junto à carga de poder, o cargo significa comparar-se ao status de ilustres que por ali passaram, como o empresário-político Senador Vergueiro ou o grande escritor José de Alencar – ministros nos tempos do império.

 

Mas isso requer favores políticos inenarráveis publicamente. E muito dinheiro.

 

Lembremos que, dentre as inglórias de Brás Cubas, personagem de Machado de Assis, está a de não ter sido ministro. Embora não lhe faltasse dinheiro.

 

Rico de berço, a sorte monetária sempre sorrira em vida a Cubas. Às vezes, até de maneiras inusitadas, como o próprio nos conta nesta passagem:

 

(...) indo eu a Botafogo, tropecei num embrulho, que estava na praia. (...) houve menos tropeção que pontapé. Vendo um embrulho, não grande, mas limpo e corretamente feito (...) Lembrou-me bater-lhe com o pé, assim por experiência, e bati, e o embrulho resistiu. Relancei os olhos em volta de mim; a praia estava deserta; (...) inclinei-me, apanhei o embrulho e segui.

 

O conteúdo do tal embrulho: cinco contos de réis em notas e moedas, tudo arrumadinho, “asseadinho” – como diria o narrador. Dinheiro, tempos depois, pago à conservadora senhora, que se tornara alcoviteira dos encontros adúlteros de Brás com uma mulher casada. É a lógica privada do favor:

 

Não fui ingrato; fiz-lhe um pecúlio de cinco contos, - os cinco contos achados em Botafogo, - como um pão para a velhice. D. Plácida agradeceu-me com lágrimas nos olhos, e nunca mais deixou de rezar por mim, todas as noites (...) Foi assim que lhe acabou o nojo.

 

Dirá mais tarde Cubas, não sem um quê de ironia: "Não alcancei a celebridade (...) não fui ministro, não fui califa (...) Verdade é que, ao lado dessas faltas, coube-me a boa fortuna de não comprar o pão com o suor do meu rosto."

 

Um ministério, desde os tempos do Império, custa caro. E se por ele, mais do que nunca, ainda “transformam o país inteiro num puteiro”, caberiam as seguintes ponderações: viveríamos um revival da metáfora machadiana? A lógica pública do favor uma vez mais sendo desmascarada? Segredos de alcova do poder barganhados por réis?

 

Ah, acerca do mesmo tema, aconselha-se, do autor, o conto O segredo do Bonzo. Mas com trocadilhos.

.

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

Bruxarias

Tamanho GG

Conexões

5 vezes Ditadura

Capitães-comunistas

Ação e reação

Samba do Ernesto

NUNCA MAIS!

Verdugos

Culatra

Dos Arroios à Conde de Irajá

Esculacha não!

Rock horror

Randevu em Botafogo

Ana

Gitano

Bastardo

Estrelas

Por que morrem os poetas?

Mama África

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload