© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Mama África

18.06.2019

A escravidão sempre esteve presente na história do homem. Quer seja no Ocidente, quer seja no Oriente.

 

Desde os antigos tempos bíblicos, os hebreus, conforme se sabe, já teriam sido vendidos como escravos. Foi a antiguidade clássica greco-latina que parece ter moldado o conceito.

 

A escravidão aparece como consequência da democracia, uma vez que no momento em que se construía a ideia de polis – e por conseguinte a de cidadão – se delineava também o conceito do não-cidadão, do subalterno. Neste caso identificado, via de regra, com o forasteiro. A este se permitia escravizar. Todos brancos. Ou quase.

 

Contudo, como o último advento escravista da história humana remete à escravidão negra, para muitos ainda resta o equívoco da sinonímia escravo = negro.

 

Dessa forma, soa quase incrível saber que haja entre nós quem acredite – por pura deficiência cognitiva – que hordas de mulheres e homens negros tenham chegado aos trópicos para se deixarem escravizar, por livre e espontânea vontade.

 

José Eduardo Agualusa – que ao lado do moçambicano Mia Couto é uma das mais importantes vozes da atual narrativa africana – fez espontaneamente a ponte Rio-Luanda, para viver no Brasil.

 

Trouxe consigo, em O ano em que Zumbi tomou o Rio, o mítico personagem histórico dos Palmares, redivivo na figura de um esguio angolano vendedor de armas para traficantes de favelas. E que logo tornar-se-ia o rei do Rio.

 

Curioso é que os personagens de Agualusa trazem suas vozes d’Àfrica – de Huambo, de Luanda, de Benguela – direto para o bairro de Botafogo:

 

Lembra-se do velho negro que encontrou em Botafogo. “Caô Cabiecilê!” Bárbara estremece: “Como?” “O que significa isso?” “Porquê? Nunca vi você interessado nos nossos cultos.” “O que significa?” “Calma, meu bem, é a saudação a Xangô nos terreiros de Candomblé”.

 

 

O ano em que Zumbi tomou o Rio mostra também que, junto à linguagem da macumba, para dominar o novo quilombo – a favela –, isto é, para reinar numa cidade como o Rio, o Zumbi africano traficante deverá promiscuir-se com toda a escória oficial:

 

(...) Ele repete o que disse há pouco, de um orelhão em Botafogo, assim que se viu na rua. (...) está preso no seu próprio apartamento. O prédio foi cercado por bandidos. Um deles reconheceu-o e conduziu-o ao apartamento do governador.

 

O texto de Agualusa – embora proponha uma conexão Rio-Luanda – acaba por retratar nossa gente de bem, seus postos, seus bens, bem como seus endereços luxuosos nas luzes da cidade – bem longe d’África:

 

O governador (...) mora sozinho no trigésimo andar do Edifício Apolo, um dos mais altos da cidade, com vista sobre a Enseada de Botafogo, o Pão de Açúcar, o Corcovado, o Morro Dois Irmãos, e muito ao fundo, confundindo-se com a bruma, a pedra da Gávea.

.

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

Bruxarias

Tamanho GG

Conexões

5 vezes Ditadura

Capitães-comunistas

Ação e reação

Samba do Ernesto

NUNCA MAIS!

Verdugos

Culatra

Dos Arroios à Conde de Irajá

Esculacha não!

Rock horror

Randevu em Botafogo

Ana

Gitano

Bastardo

Estrelas

Por que morrem os poetas?

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload