© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Por que morrem os poetas?

10.06.2019

Ali pelos idos do século XIX foi o tempo em que o chamado mal do século – a tuberculose – cismou de ceifar vidas de poetas, impiedosamente.

 

Assim seria com Álvares de Azevedo e com Castro Alves; assim foi com José de Alencar e com Cruz e Sousa. Todos mortos antes de completarem a quinquagésima primavera. Os dois primeiros, desaparecidos ainda nas duas primeiras décadas de vida.

 

Contudo, ars longa, vita brevis, isto é: morto o Poeta – aos 20 ou aos 50 –, vive a Obra. E é o tempo que lhe conferirá brio e perenidade.

 

Há outros poetas, no entanto, cuja morte é quase opção – embora inconsciente. Espécie de busca voluntária e incessante. Como se o próprio fosse uma pira.

 

Em vários casos, isto se dá mediante o excesso das drogas. Lícitas e ilícitas. Com Paulo Leminski foi mais ou menos assim:

 

O papel é curto

Viver é comprido

 

Recusando-se a viver em voltagem normal, o cachorro loko das araucárias atacou por todas as áreas: do haikai ao judô; do tarô ao latim. E produziu em progressão geométrica – como se prevendo a brevidade de seu tempo:

 

Tudo dito

Nada feito

Fito e deito

 

De que forma estaria o poeta – morto em 1989 – hoje, no auge de seus 75 anos? Difícil projetar uma imagem do Leminski velho, decrépito. O próprio Paulo, como um samurai, recusara-se sumariamente a mirar-se na caretice da idade:

 

rio do mistério

o que seria de mim

se me levassem a sério?

 

Dessa maneira, pegou carona em todas as trips possíveis do tempo. E repetia no bordão dos hippies – não sem um quê de melancolia:

 

Esta vida é uma viagem

Pena eu estar

Só de passagem

 

Foi no embalo de uma dessas lendárias viagens que o poeta veio de Curitiba viver no Solar da Fossa – a mítica pensão de Botafogo. O nome de seu mais famoso romance, Catatau, nasceu ao acaso, ali, naqueles pátios.

 

E seria no bairro, nas famosas noites de poesia do bar Barbas, que Leminski lançaria, no Rio, sua produção em prosa e verso da época.

 

Sabe-se que Paulo morrera de birita. Mas consta que para sua radiante piração concorriam sempre otras cositas más.

 

O parceiro Moraes Moreira faz glosa e prosa da época em que ainda morava por Botafogo:

 

(...) Leminski saía de Curitiba e ficava hospedado na minha casa. Uma semana lá e a gente fazia cinco músicas. O cara não parava. Era uma loucura. Certa vez, a gente até tomou um ácido e ficou esperando a onda bater. E não acontecia nada. Uma hora ele levantou e disse: “Esse ácido é fajuto. Nem uma rima!”

.

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

Bruxarias

Tamanho GG

Conexões

5 vezes Ditadura

Capitães-comunistas

Ação e reação

Samba do Ernesto

NUNCA MAIS!

Verdugos

Culatra

Dos Arroios à Conde de Irajá

Esculacha não!

Rock horror

Randevu em Botafogo

Ana

Gitano

Bastardo

Estrelas

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload