© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Estrelas

05.06.2019

Há atores que escrevem. Assim como há autores que atuam.

 

Aliás, o primeiríssimo ator da história do teatro ocidental – o poeta grego Téspis – representava, inclusive, papéis simultâneos em suas próprias peças.

 

Não era incomum, portanto, os tragediógrafos gregos viverem o que escreviam.

 

Foi apenas a partir de Sófocles – autor da clássica tragédia Édipo Rei – que se passaria a desvincular as funções autor/ator.

 

Na verdade, com a decadência dos valores clássicos e a apropriação da cultura grega pelo império romano, toda a arte dramática perderia força, e o público passaria, então, a dar preferência a jogos violentos de competição – ou a espetáculos circenses.

 

Era a cultura do “pão e circo”.

 

Com a destruição ou o fechamento dos teatros da Antiguidade, surgem, na cultura medieval, os atores ambulantes: são os trovadores e os menestréis.

 

Apenas no Renascimento, o teatro e, consequentemente, os atores começariam a renascer, dando início à chamada Commedia dell’Arte.

 

Shakespeare e García Lorca – cada um a seu tempo –, além de grandes dramaturgos, foram também atores e empresários do teatro. Muito embora tenham se consagrado mesmo na escrita.

 

Entre nós, Miguel Falabella é um desses atores que é também autor. De teatro e de ficção.

 

O seu Vivendo em voz alta é repleto de nostalgias de uma época áurea em que vivia por Botafogo cercado de futuras estrelas.

 

Neste relato – quase memórias – há tristeza e glamour, vida e desesperança:

 

Nós morávamos num prédio antigo, encardido, numa travessa da rua da Passagem, em Botafogo, a travessa Pepe. Não éramos muitos, na verdade eram só quatro apartamentos e um santo pintado sobre um losango de azulejos, na fachada...

 

Afinal, ser ator – desde tempos imemoriais – é dar-se ao direito de viver várias vidas, quer seja na alegria, quer seja na tristeza; é ser o bufão que “aceita a torta na cara, cai da corda bamba e não para, se abaixa e rasga a calça: desde que faça rir”.

 

A voz de Falabella em Vivendo em voz alta reivindica uma infinidade de estrelas: Claudio Gaia, dos Dzi Croquettes, Vicente Pereira, o criador do besteirol, Carlos Augusto Strazzer,

 

Guilherme Karam, às vezes, como quem não quer nada, aparecia com umas compras e umas delicadezas para ajudar na dureza dos tempos. Mas olhávamos para o futuro com uma alegria surpreendente. Eram assim aqueles dias.

 

Atores. Bufões. Santidades que nos fizeram rir. Às vezes, até chorar. E, assim como vieram para brilhar e alegrar nossos dias, se foram. Numa nebulosa:

 

Eu vinha na direção de Botafogo e, bem na curva, logo depois da Santa Margarida Maria (eu me lembro que pensava em quem teria sido a santa, pois gosto da história dos santos e de suas abnegações, gosto dos olhares febris e das transcendências...)

 

Falabella melancolicamente lembra, quase em voz alta – e com lágrimas nos olhos –, da repentina cadência das estrelas:

 

(...) eu parti para Copacabana, Vicente se foi, Carlos Augusto Strazzer se foi, Claudio Gaia se foi (...), e aqueles dias, aquelas tardes, aquelas noites perfumadas e risonhas transformaram-se em neblina, assim, num piscar de olhos (...)

.

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

Bruxarias

Tamanho GG

Conexões

5 vezes Ditadura

Capitães-comunistas

Ação e reação

Samba do Ernesto

NUNCA MAIS!

Verdugos

Culatra

Dos Arroios à Conde de Irajá

Esculacha não!

Rock horror

Randevu em Botafogo

Ana

Gitano

Bastardo

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload