© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Ana

14.05.2019

Foto: Cecília Leal de Oliveira - Acervo Ana Cristina Cesar (Instituto Moreira Salles)

 

Naqueles idos dos anos de 1970, era imperativo ao espírito jovem expor sua energia nas ruas – quer fosse com fuzis, quer fosse com palavras. Os que não militavam nas guerrilhas urbanas operavam mimeógrafos – e faziam da revolta pura poesia. Ou vice-versa.

 

Afinal, como dizia um aforismo poético da época, “en la lucha de clases todas las armas son buenas: piedras, noches, poemas”.

 

Para espíritos inquietos como o de Ana Cristina Cesar, cuja inadequação era muito mais do que política – mas existencial –, a poesia foi de fato uma verdadeira arma. Tanto assim que Ana logo ganharia notoriedade e figuraria no antológico 26 poetas, hoje, de Heloisa Buarque de Holanda. Isto ali pelos idos de 1976.

 

Garota de Copacabana, as passagens de Ana por Botafogo, ao mesmo tempo em que foram cruciais para o reconhecimento de sua poesia, seriam também via-crúcis de parte de seu martírio. E – ciclotímica que era – o vaivém do mar marcaria, de forma trágica, sua vida. E poesia.

 

 

Depois de ter lançado – ainda em mimeógrafo – Cenas de abril, Correspondência completa e Luvas de pelica, no final dos 70, foi no circuito de bares, num daqueles recitais semanais de poesia promovidos pelo Barbas, na Álvaro Ramos, que Ana Cesar lançaria, enfim, o clássico A teus pés: uma bela edição – agora oficializada – dos primeiros três livros.

 

Rolava o início da indecifrável década de 1980.

 

Nos conta o biógrafo e amigo Italo Moriconi no seu Ana Cristina Cesar: o sangue de uma poeta que, logo após o estupendo sucesso de A teus pés,

 

(...) ela tinha feito uma tentativa de suicídio na praia da Barra e que estava internada numa clínica em Botafogo.

 

Poucos meses depois, Ana Cristina, aos trinta e um anos, voaria de sua janela para o infinito, de um sétimo andar da praia de Copa.

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

Bruxarias

Tamanho GG

Conexões

5 vezes Ditadura

Capitães-comunistas

Ação e reação

Samba do Ernesto

NUNCA MAIS!

Verdugos

Culatra

Dos Arroios à Conde de Irajá

Esculacha não!

Rock horror

Randevu em Botafogo

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload