© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Águia de Haia

 

Foi em Botafogo que Rui Barbosa preparou-se para chefiar a delegação brasileira que participaria, entre os dias 15 de junho e 18 de outubro de 1907, da 2ª Conferência da Paz, em Haia, Países Baixos. Na biblioteca de sua casa, na rua São Clemente 134, o jurista, advogado, político, escritor, filólogo, jornalista, tradutor e diplomata se debruçou nos estudos de direito internacional para a difícil tarefa que lhe fora confiada pelo presidente da República Afonso Pena, por sugestão do chanceler José Maria da Silva Paranhos Júnior, o Barão do Rio Branco. Ele e o Barão sabiam que a conferência seria um jogo de cartas marcadas para favorecer as grandes potências militares da época. Entretanto, a habilidade de orador e a atuação incansável de Rui – alimentada por intensa troca de telegramas com o Barão – levaram o Brasil a obter uma posição de destaque na conferência e lançaram as bases para uma mudança de paradigma nas relações internacionais. Por sua atuação, Rui ganhou o epíteto de “Águia de Haia”.

 

A 2ª Conferência de Paz de 1907, a primeira com todas as nações soberanas à época*, teve como principal assunto uma “proposta-surpresa” dos Estados Unidos – articulada com a Alemanha e o Reino Unido – de criar uma Corte Internacional de Justiça composta por juízes permanentes nomeados por oito a nove potências – Estados Unidos e alguns países europeus –, enquanto os sete ou oito postos restantes seriam ocupados por outros países, em sistema de rodízio. Segundo a proposta, as nações poderosas teriam a imensa maioria dos juízes a seu favor em qualquer disputa internacional. O Brasil, outros países da América Latina e alguns europeus e asiáticos foram contra. Como a proposta pegou todos de surpresa, tiveram de montar suas estratégias, reações e propostas alternativas ao longo da conferência.

 

Ao tomar conhecimento da proposta norte-americana, o Barão orientou Rui a buscar protagonismo do Brasil:.

 

 

(...) “Vossa Excelência deve procurar proceder de modo a que nenhum outro país do nosso ou de outro continente nos preceda nas declarações que a nossa dignidade de nação nos impõe e que apresente logo a proposta substitutiva de acordo com as nossas ideias (...) tomar a dianteira, construir liderança serena, coerente com a nossa dignidade de nação. (...) Estamos certos de que Vossa Excelência o há de fazer com firmeza e moderação e brilho, atraindo para o nosso país as simpatias dos povos fracos e o respeito dos fortes”.

 

E, de fato, Rui foi brilhante, desmontando, uma a uma, as teses da delegação norte-americana e, ao mesmo tempo, atraindo simpatias de outras nações para a posição do Brasil. Ele defendeu a igualdade dos Estados, no âmbito do direito internacional, em oposição à hierarquia baseada na força, preconizada pelas grandes potências. Paul-Henri-Benjamin d'Estournelles de Constant – jurista, diplomata e político, representante da delegação francesa – saudou o sucesso de Rui:

 

"Vossa Excelência logrou colocar em evidência seu país e tornar aceitável o princípio da igualdade entre os Estados, que inicialmente nos parecia revolucionário, ridículo".

 

Da chancelaria no Rio de Janeiro, o Barão se correspondia com Rui por meio de telegramas. Foram cerca de 150, de parte a parte, durante os cinco meses que durou a conferência. Em geral, a correspondência era amistosa e colaborativa. Houve, no entanto, momentos de tensão, em que Rui esteve a ponto de desistir, como no telegrama de 16 de agosto:

 

(...) Censuras mencionadas telegrama Vossa Excelência só me fazem lamentar mais uma vez aceitasse missão para qual sempre proclamei minha incompetência (...) renovo suplicante meu pedido exoneração.

 

O Barão respondeu tranquilizando o representante brasileiro:

 

"Conheço perfeitamente as dificuldades da nossa situação aí (...) Para a gente sensata e imparcial, a grande e merecida nomeada do representante do Brasil na Haia nada perderá se não conseguir tudo quanto desejamos. O governo e a nação fazem plena justiça aos esforços de Vossa Excelência. Há mesmo em todo o país um movimento geral de satisfação e entusiasmo pelo brilho que Vossa Excelência tem dado à nossa terra nessa conferência (...)

 

Ao fim da 2ª Conferência de Paz de Haia, os norte-americanos ficaram isolados. Foi aceita a proposta do representante inglês Sir Edward Fry, de adiar a decisão sobre o processo de seleção dos juízes da corte internacional para uma futura conferência. O Brasil, por meio do Barão e de Rui, ganhou prestígio, introduzindo, nas relações internacionais, a noção de igualdade entre estados soberanos, conceito posteriormente consagrado na Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas. Desde então, esse princípio serve de norte para a atuação da diplomacia brasileira, que construiu, ao longo de todo o século 20, uma boa reputação como soft power. E como disse o próprio Rui: “Mais do que nunca, em nossos dias, os povos subsistem da sua reputação no exterior”.

 

No jardim em frente à casa de Rui Barbosa, existe uma escultura de uma águia dominando uma serpente, que simboliza a vitória da sabedoria sobre a morte. O curioso é que a escultura já existia em 1893, quando Rui comprou a casa, bem antes de receber a alcunha de “Águia de Haia”. Ele pensou em mandar retirá-la, mas foi desaconselhado. Afinal, se a escultura da águia derrotando a serpente fora apenas coincidência, mal não faria deixá-la no jardim a lembrar o feito.

 

* Alemanha, Argentina, Áustria-Hungria, Bélgica, Bolívia, Brasil, Bulgária, Chile, China, Colômbia, Cuba, Dinamarca, Equador, Espanha, EUA, França, Grécia, Guatemala, Haiti, Itália, Japão, Luxemburgo, México, Montenegro, Nicarágua, Noruega, Países Baixos, Panamá, Paraguai, Peru, Pérsia, Portugal, Reino Unido, República Dominicana, Romênia, Salvador, Sérvia, Sião, Suécia, Suíça, Turquia, Uruguai e Venezuela.

 

Fontes de pesquisa:

FUNDAÇÃO ALEXANDRE DE GUSMÃO (FUNAG), II CONFERÊNCIA DA PAZ HAIA, 1907 - A correspondência telegráfica entre o Barão do Rio Branco e Rui Barbosa, 2014

LAFER, Celso, CONFERÊNCIAS DA PAZ DE HAIA (1899 e 1907).

 

 Chegada das delegações para a Conferência da Paz em Haia, 1907

 

Antiga cédula prestou homenagens à atuação de Rui Barbosa na 2ª Conferência da Paz

 

 

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Guerra e Paz

O endereço mais famoso de Botafogo

Botafogo nas telas de pintores viajantes

Sorriso negro de Botafogo

Tráfico ilegal de escravos em Botafogo

O historiador caboclo de Botafogo

Jacob do Bandolim em Botafogo

Um regente do Império em Botafogo

Desaparecido

Tragam seus mortos

Solo sagrado de Botafogo

Craque com fama de rebelde

Pasmado - histórias e polêmicas

Poder e loucura

Quem foi rei nunca perde a majestade

Os irmãos Farani

Elizeth Cardoso, a Divina, morou em Botafogo

Cemitério de celebridades

Negócios e cavalos

Bambina

D. Pedro I se regenerou em Botafogo

Tragédia em Botafogo

Genocídio indígena

Abílio Borges, educador do século 19

Um aventureiro em Botafogo

Solar da Fossa

Pasquim

O Teatro Jovem e o Rosa de Ouro

Barbosa Lima Sobrinho, um democrata

O encontro do professor com o militar

Um malandro em Botafogo

O crime da Praia de Botafogo

O Marechal Niemeyer

A mais antiga sinagoga do Rio fica em Botafogo

E o mundo inteiro ouviu Tim Maia

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload