© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

NUNCA MAIS!

27.11.2018

 

O nefasto recurso da tortura percorre a história da humanidade.

 

Na Antiguidade Clássica, a Lapidação era o mais comum. O artifício, naquele contexto, consistia em violentar o corpo, em praça pública, com o intuito de punir, por meio da dor física, determinados desvios morais.

 

Já no período medieval, mais do que dor física, a tortura, enquanto instrumento de purgação de pecados, procurava ir além: atingir a alma do indivíduo – e a dor, nesse caso, era também metafísica.

 

Havia objetos cujos nomes ainda soam desumanamente bizarros. Uns mais metafóricos: Berço de Judas, Pera da angústia, Caixão da tortura; outros mais literais: Esmaga cabeças, Empalamento, Estripador de seios.

 

Nos períodos supracitados, a tortura fazia parte da legislação de estado. Logo, não se torturava por puro sadismo ou mera divergência política – e nunca por debaixo dos panos.

 

Apenas a partir da constituição dos Direitos do Homem e do Cidadão – no séc. XVIII – é que a Europa passaria, lentamente, a abolir a tortura.

 

Contudo, em nossos dias, regimes de exceção frequentemente revigoram o terror do método. Devido ao viés ideológico, além do físico ou o metafísico, a tortura política visa a atingir – e definhar – o psicológico. E, diferentemente do mundo antigo, ocorre sempre de forma ilegal. Aí residem seu cinismo e toda a sua imoralidade.

 

Entre nós também imperaram um dia as duas modalidades de objetos torturantes, os metafóricos: Pau-de-arara, Cadeira do Dragão, Calda da verdade; e os literais: Afogamento, Geladeira, Choque elétrico.

 

E, desafortunadamente, o bairro de Botafogo testemunharia torturantes episódios, subsequentes àquele fatídico ano de 1964: 

 

(...) começam as quedas no Rio. Dois companheiros indo recuperar um carro frio estacionado em rua de Botafogo não percebem o cerco da polícia, são imobilizados, presos e torturados (...)

 

Amigos presos, amigos mortos; amigos sumidos, pra nunca mais. Eram assim aqueles tenebrosos tempos:

 

(...) companheiros foram retirados violentamente do apartamento em que moravam, em Botafogo, no Rio, às 6h da manhã, e levados para local desconhecido. As mais abomináveis torturas físicas e psicológicas foram praticadas, sem falar nos assassinatos a sangue-frio (...)

 

Havia de fato gente de bem que não compactuava com os excessos do regime. Mas a roda-viva do terror não poupava vozes divergentes. Sem acusações, sem processos: sumariamente encaminhadas às câmeras de tortura.

 

Advogados,

 

(...) incansável advogado de presos políticos, Modesto da Silveira, foi sequestrado pela polícia em sua casa, em Botafogo, e levado para o quartel da PE, na Tijuca (...)

 

Jornalistas – e toda a imprensa combativa –,

 

O Pasquim também sofreu atentados à bomba. O primeiro destruiu a fachada do jornal, em Botafogo (...)

.

todos desfigurados física, psíquica e humanamente na truculência que a tortura impôs:

           

(...) houve o caso do jornalista José Fernandes Rêgo que, libertado após 23 dias de prisão no DOPS, foi imediatamente internado no Sanatório de Botafogo. Estava 15 quilos mais magro, com perda de dentes, abúlico, sem forças para andar (...)

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

Bruxarias

Tamanho GG

Conexões

5 vezes Ditadura

Capitães-comunistas

Ação e reação

Samba do Ernesto

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload