© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Samba do Ernesto

23.11.2018

 

Há duas espécies de generais: os chamados linhas-duras e os intelectuais. Ambos passaram por escolas superiores, mas enquanto alguns vivem em gabinetes, articulando planos e conspirando golpes, outros aspiram simplesmente o cheiro de obuses, tropas e cavalos.

 

De qualquer sorte, quer seja linha-dura, quer seja intelectual, é tudo general. E ponto. Há os de duas, três, quatro e cinco estrelas. E isso, sim, os distingue hierarquicamente perante seus subordinados. Dos que compuseram a nossa ditadura, apenas os dois primeiros ostentavam as tais cinco estrelas.

 

Geisel, por exemplo, pertencia a um seleto grupo chamado “Sorbonne”. Portanto, da ala dos intelectuais. Ainda assim, o radicalismo do regime ecoou em suas mãos. Numa prova de que, linha-dura ou não, ditador é ditador.

 

Penúltimo mandatário militar, Ernesto Geisel fizera história. E, claro, parte dela passada em Botafogo: 

 

Ingressa, junto com seu irmão, Orlando, na Escola de Estado-Maior e divide com este e as respectivas famílias uma casa alugada em Botafogo. Na Escola de Estado-Maior, conhece o capitão Golbery do Couto e Silva (...)

 

Golbery passaria a ser seu braço direito na gerência dos anos de chumbo, herdados do general predecessor. Essa era a farsa: por ser do grupo dos intelectuais, associou-se a gestão de Ernesto ao processo de “abertura política”. Como se, no meio de facínoras, existissem os bonzinhos e os maus:

 

Quando entrou o Geisel, o problema dele era o seguinte: ‘o que é que vão dizer de mim se eu fizer um governo pior que o do Médici?’. Ele tinha sempre que dizer que o carrasco era o Médici. Mas Médici nunca fechou o Congresso, nunca cassou deputado, coisa que o Geisel fez à vontade.

 

Tudo feito, como sempre, para confundir a opinião pública.

 

Por ter cumprido à risca a cartilha do golpe – torturas, atentados a bomba, mortes, cassações – Ernesto receberia, em vida, lautas benesses do Estado. Em Dossiê Brasília: os segredos dos presidentes, o jornalista Geneton Moraes Neto nos requenta essa história:

 

(...) em companhia do cinegrafista, fico de plantão, numa manhã de 1991, na entrada do estacionamento do prédio em que o general dava expediente como presidente da Norquisa, empresa da área de química fina, na praia de Botafogo, no Rio (...)

 

Sim. Ernesto agora manipulava interesses petroquímicos nacionais, mas não sem antes indicar seu sucessor, o cavalariço. Aquele que um dia, em pleno poder, dissera – ipsis litteris – preferir cavalos ao povo.

 

O general das cavalgaduras era linha-dura, mas sua missão era a transição política – ainda que mediante conluios inimagináveis. E a mão de Ernesto estaria lá também, na sucessão da sucessão.

 

Adivinha, então, qual o palco da conspiração que apontaria o primeiro civil – após quase duas décadas e meia – à presidência e o mataria antes do discurso de posse?:

 

Tancredo chegou à praia de Botafogo, na zona sul do Rio, para visitar a sede da Norquisa. A empresa petroquímica era o local das reuniões (...)

.

Não revelarei aqui o que, naquela ocasião – dentre um rol de nomes feios –, Ernesto tartamudeara sobre Tancredo. Segredíssimo de Estado.

           

Porém, de lá pra cá, todos sabemos no que deu essa República.

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

Bruxarias

Tamanho GG

Conexões

5 vezes Ditadura

Capitães-comunistas

Ação e reação 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload