© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Ação e reação

14.11.2018

 

Em verdade, a chamada Revolução de 30 foi um golpe. Decerto, não o primeiro em que se depôs um presidente legitimamente eleito. E com Supremo e tudo.

 

Claro: militares sempre na contenção.

 

Não há como negar, portanto, as intenções e as violentas arbitrariedades da Ditadura Vargas.

 

Porém, conforme ensina a terceira lei de Newton, toda ação provoca uma reação de mesma intensidade, mas com sentido oposto.

 

Sim: uma ferrenha oposição logo se fez necessária – e legítima.

 

Ao lado de tenentes, intelectuais e estudantes, na luta anti-imperialista, antifascista e anti-integralista, um dos primeiros civis a se colocar a postos fora o soteropolitano Carlos Marighella.

 

Deputado federal cassado pelo regime varguista, Carlos levaria uma vida inteira lutando contra todos os governos de exceção que se sucederam no Brasil.

 

A ideia da repressão – desde Vargas – era sair dos porões e dos gabinetes para montar seus escritórios, onde aplicados meganhas pudessem fuxicar – e ceifar – vidas:

 

(...) um desses birôs – era voz corrente na época – ficava na rua Farani (Botafogo), quase em frente ao restaurante Zero Zero Quatro, frequentado pelos alunos das instituições particulares de ensino superior mais próximas (...)

 

Como o bairro fumegava de “aparelhos comunistas”, o líder guerrilheiro passaria temporadas por ali. Aliás, a primeira ação de seu grupo foi, literalmente, de cinema:

 

A primeira ação na Guanabara foi um assalto ao Cine Ópera, em Botafogo, em 27 de abril de 1969. A tentativa foi frustrada pelo guarda (...) que reagiu, dando início a intenso tiroteio. Surpreendidos com a reação, os cinco terroristas fugiram sem conseguir efetuar o roubo (...)

 

Houve também aquele louco, e exitoso, capítulo da expropriação do cofre que pagaria aos que cuidavam dos já totalmente enlouquecidos:

 

(...) os militantes destacam o episódio ocorrido no dia 3/9/1971 na casa de saúde Dr. Eiras, no bairro de Botafogo, no Rio. Ocupada por grupos revolucionários, (...) teve o capital “expropriado em nome da revolução”.

 

E do bairro era de onde – volta e meia – Marighella tinha que fugir, sempre às pressas.

 

Às vezes, direto para o Kremlin, conforme relatos contidos em Marighella: O guerrilheiro que incendiou o mundo:

 

Marighella, àquela altura, estava longe da enseada de Botafogo. “Atenção, camaradas! Fala Moscou!”

.

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

Bruxarias

Tamanho GG

Conexões

5 vezes Ditadura

Capitães-comunistas 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload