© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

O Teatro Jovem e o Rosa de Ouro

 

Um teatro agitou a cena cultural de Botafogo na primeira metade da década de 1960. Com sede em um casarão no número 522 da Praia de Botafogo, o Teatro Jovem nasceu, em 1960, do entusiasmo de estudantes e artistas pela arte engajada, popular e de forte cunho social, bastante em voga naquela época. Apesar das inúmeras dificuldades, o teatro produziu espetáculos memoráveis – com destaque para o musical “Rosa de Ouro” – e revelou grandes nomes da dramaturgia e da música, como Paulinho da Viola, a cantora Clementina de Jesus e os atores Flávio Migliaccio, Milton Gonçalves e Isabel Ribeiro. A experiência do Teatro Jovem foi tão inovadora que inspirou a criação dos Centros Populares de Cultura (CPCs) da União Nacional dos Estudantes (UNE).

 

A mistura sempre fez bem à cultura do Rio de Janeiro desde os tempos em que o imperador D. Pedro II patrocinava animados saraus no Palácio da Quinta da Boa Vista – aquele que pegou fogo no mês passado –, reunindo músicos de choro e eruditos. Com o Teatro Jovem não foi diferente. De uma mistura reunindo universitários e jovens artistas foi que surgiu o espaço. Sob a direção do estudante de arquitetura Kleber Santos, ali foram encenados espetáculos com foco na cultura popular. A estreia se deu com a peça “A mais-valia vai acabar, Seu Edgar”, de Oduvaldo Vianna Filho – o Vianinha. Mas o primeiro sucesso de público veio em 1963, com “Todo mundo ri”, comédia de Flávio Migliaccio, que, aos 29 anos, começava a fazer participações também no Grande Teatro Tupi, da TV Tupi.

 

Rosa de Ouro

 

No dia 18 de março de 1965, estreou o show “Rosa de Ouro”, aquela que seria a produção mais marcante e bem-sucedida da história do Teatro Jovem. Idealizado por Hermínio Bello de Carvalho, poeta e compositor, e produzido por Kleber Santos (foto), o “Rosa de Ouro” ousava trazer para o palco do teatro o samba de raiz numa época em que rádios e TVs davam preferência a ritmos americanos, italianos, franceses, latino-americanos, samba-canção e bossa nova. Para isso, o show reuniu artistas até então desconhecidos – Elton Medeiros, Nelson Sargento, Paulinho da Viola, Nescarzinho do Salgueiro, Jair do Cavaquinho e Clementina de Jesus – e a estrela do teatro de revista Aracy Cortes. Clementina era filha de escravizados e havia trabalhado como doméstica durante 20 anos até ser descoberta por Hermínio. Cantora fenomenal, Aracy foi escalada quando já estava aposentada, morando no Retiro dos Artistas.

 

O espetáculo abria com a voz inconfundível do compositor e radialista Henrique Foréis Domingues, o Almirante: "Meu nome de guerra é Almirante. Eu fui participante do Bando de Tangarás, com Noel Rosa, Henrique Brito, Alvinho e João de Barro. Neste espetáculo carioca, vamos relembrar o cordão Rosa de Ouro. Aqui serão citados compositores de todos os tempos. Rosa de Ouro com vocês". O grupo interpretava obras de grandes compositores como Paulo da Portela, Nelson Cavaquinho, Lamartine Babo, Sinhô, Ismael Silva e Cartola. A cada pausa, entravam depoimentos gravados de personalidades da música – dos bambas Carlos Cachaça, Donga, Ismael Silva e Pixinguinha aos jornalistas Sérgio Porto, Sérgio Cabral, Lúcio Rangel e Jota Efegê.

 

O show, que deveria ficar em cartaz por um mês, fez tanto sucesso de público e de crítica que ocupou o palco do Teatro Jovem por um ano até sair em turnê pelo país. O “Rosa de Ouro” marcou a volta do samba ao merecido lugar de destaque na música brasileira.

 

Os espetáculos seguintes não repetiram o sucesso do “Rosa de Ouro” e tiveram desempenho irregular. Mas, ainda assim, revelaram talentos como Isabel Ribeiro – lançada em “A moratória”, de Jorge Andrade, de 1964, em cartaz por seis meses, com mais de 200 apresentações – e o excepcional Milton Gonçalves, que conseguiu agradar a crítica apesar do fraco texto de “América injusta”, de M. B. Duberman, com direção de Nelson Xavier e Sérgio Sanz.

 

Em 1966, após uma tentativa de seguir com um coletivo de diretores – formado por Nelson Xavier, Sérgio Sanz, Cecil Thiré e Kleber Santos –, o Teatro Jovem encerrou suas atividades. Por seu engajamento político e seu viés popular, ele havia servido de inspiração para a criação, em 1962, dos Centros Populares de Cultura (CPCs) da União Nacional dos Estudantes (UNE). A iniciativa durou apenas até o golpe de 1964, que fechou os CPCs em todo o país e colocou a UNE na ilegalidade.

 

O Teatro Jovem cumpriu bem o papel de dar vazão à insatisfação e à vontade de transformar, próprias dos jovens, e promoveu o encontro entre as culturas acadêmica e popular, mistura essa que, como sabemos, dá certo desde os tempos de Pedro II.

 

Elton Medeiros, Turíbio Santos, Nelson Sargento, Paulinho da Viola, Jair do Cavaquinho, Nescarzinho do Salgueiro, Clementina de Jesus,  Aracy de Almeida e Aracy Cortes. A formação do Rosa de Ouro, exceto por Turíbio dos Santos e Aracy de Almeida, que estavam de passagem.

 

 Rosa de Ouro no Teatro Jovem.

 

 Clementina  com Hermínio Bello de Carvalho

 

Paulinho da Viola e Aracy Cortes

 

 

 

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Guerra e Paz

O endereço mais famoso de Botafogo

Botafogo nas telas de pintores viajantes

Sorriso negro de Botafogo

Tráfico ilegal de escravos em Botafogo

O historiador caboclo de Botafogo

Jacob do Bandolim em Botafogo

Um regente do Império em Botafogo

Desaparecido

Tragam seus mortos

Solo sagrado de Botafogo

Craque com fama de rebelde

Pasmado - histórias e polêmicas

Poder e loucura

Quem foi rei nunca perde a majestade

Os irmãos Farani

Elizeth Cardoso, a Divina, morou em Botafogo

Cemitério de celebridades

Negócios e cavalos

Bambina

D. Pedro I se regenerou em Botafogo

Tragédia em Botafogo

Genocídio indígena

Abílio Borges, educador do século 19

Um aventureiro em Botafogo

Solar da Fossa

Pasquim

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload