© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Um aventureiro em Botafogo

Ilustração de banquete dos tupinambás. Staden aparece ao fundo

 

A rua Hans Staden – transversal à rua Real Grandeza, em Botafogo – homenageia um aventureiro e mercenário alemão, que lutou, no século 16, contra invasores franceses – e seus aliados, os tupinambás –, quando o nosso país era uma jovem e desconhecida colônia de Portugal. Capturado por índios canibais, Staden aprendeu a língua deles e viveu para escrever um dos primeiros e mais fascinantes relatos sobre os primeiros anos do Brasil.

 

Não era incomum a coroa portuguesa fazer uso de mercenários para conquistar ou defender suas colônias ultramarinas, quando Portugal era a maior potência militar do mundo. O alemão Hans Staden (1525-1576) se qualificava para o trabalho. Possuía experiência profissional – lutara na Guerra de Schmalkaldischen, uma das primeiras guerras religiosas entre protestantes e católicos –; era um “Büchsenschütze” – atirador de arma de fogo longa, bastante requisitado em uma época em que armas de fogo eram novidade –; e tinha espírito aventureiro.

 

 

Em sua primeira viagem ao Brasil, em 1548, Staden fez parte de uma expedição cujo objetivo principal era recolher o pau-brasil, mas aproveitava para transportar degredados portugueses para a nova colônia e ainda combater navios franceses que teimassem em negociar por fora com nativos ou degredados. Quando a expedição chegou à capitania de Pernambuco, em 28 de janeiro de 1548, o governador Duarte da Costa enfrentava uma revolta indígena. A expedição de Hans Staden rumou para Igaraçu, próximo a Olinda, que era defendida por apenas 120 pessoas, contra oito mil índios. Depois de muita luta e de submeterem os luso-brasileiros a um cerco –, os índios partiram em retirada. A expedição de Hans Staden ainda entrou em combate contra um navio francês antes de retornar a Portugal, no dia 8 de outubro do mesmo ano.

 

Prisioneiro de canibais

 

Hans Staden retornou à América do Sul no ano seguinte, dessa vez a serviço de um navio espanhol que rumava para Assunção, no Paraguai. Quis o destino, porém, que Hans Staden ficasse no Brasil. A embarcação naufragou na costa de Santa Catarina, e Staden e outros sobreviventes da expedição por lá ficaram durante cerca de dois anos. Staden, então, rumou para a vila de São Vicente, no litoral paulista. Antes de chegar ao destino, ocorreu um novo naufrágio, dessa vez perto de Itanhaém, já na costa de São Paulo. Staden nadou até a praia e, de lá, seguiu a pé até São Vicente, onde foi contratado como artilheiro para defender o Forte de São Felipe da Bertioga.

 

Certo dia, enquanto caçava sozinho longe do forte, Staden foi capturado por índios tupinambás, que o levaram para a aldeia de Ubatuba. Prestes a virar banquete, novamente a sorte sorriu ao aventureiro. Obrigado a lutar para defender a aldeia de um ataque de índios rivais tupiniquins, Staden se saiu bem na batalha e foi poupado pelos “anfitriões”.

 

 

Durante cerca de nove meses, Staden permaneceu cativo dos tupinambás. Aprendeu a língua e os costumes deles, como o da prática de canibalismo. Em seus relatos de viagem, mais tarde transformados em livro, Staden foi preciso nos detalhes:

 

“Voltando da guerra, trouxeram prisioneiros. Levaram-nos para sua cabana: mas a muitos feridos desembarcaram e os mataram logo, cortando-os em pedaços, e assaram a carne (...) Um era português (...) O outro chamava-se Hyeronimus; este foi assado de noite.”

 

Staden foi, enfim, resgatado por um navio corsário francês e viveu para contar suas aventuras. Elas viraram livro com o título sensacionalista – e prolixo – de "História verdadeira e descrição de uma terra de selvagens, nus e cruéis comedores de seres humanos, situada no novo mundo da América”, também conhecido como “Duas viagens ao Brasil”.

 

Nelson Rodrigues dizia que, “sem sorte, não se come nem um Chicabon”. Muito menos, um mercenário aventureiro, sobrevivente de dois naufrágios e de um cativeiro de índios canibais, se tornaria um dos maiores “brasilianistas” do século 16 e viraria nome de rua no bairro de Botafogo, onde jamais esteve.

.

 Ilustração de uma das muitas edições do livro de Staden

 

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Guerra e Paz

O endereço mais famoso de Botafogo

Botafogo nas telas de pintores viajantes

Sorriso negro de Botafogo

Tráfico ilegal de escravos em Botafogo

O historiador caboclo de Botafogo

Jacob do Bandolim em Botafogo

Um regente do Império em Botafogo

Desaparecido

Tragam seus mortos

Solo sagrado de Botafogo

Craque com fama de rebelde

Pasmado - histórias e polêmicas

Poder e loucura

Quem foi rei nunca perde a majestade

Os irmãos Farani

Elizeth Cardoso, a Divina, morou em Botafogo

Cemitério de celebridades

Negócios e cavalos

Bambina

D. Pedro I se regenerou em Botafogo

Tragédia em Botafogo

Genocídio indígena

Abílio Borges, educador do século 19

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload