© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Cemitério das celebridades

 

 

Inaugurado pelo imperador D. Pedro II em 1852, o Cemitério São João Batista é, desde então, a última morada de boa parte das celebridades da política, das letras, das artes, da ciência e do entretenimento. Localizado em Botafogo, entre as ruas Real Grandeza e General Polidoro, o cemitério abriga sepulturas de imortais da Academia Brasileira de Letras, ex-presidentes da República e diversas personalidades. D. Pedro II, mesmo, não seria enterrado lá. Deposto por um golpe militar em 1889, o imperador morreu no exílio em Paris, longe de sua terra. Seus restos mortais – e da família imperial – só retornaram ao Brasil em 1939 e encontram-se no Mausoléu Imperial, na cidade de Petrópolis, RJ.

 

Se Buenos Aires tem o cemitério da Recoleta; e Paris, o Père-Lachaise – pontos turísticos dessas cidades –; o Rio de Janeiro não fica atrás em importância com o Cemitério São João Batista, tanto pelo número de celebridades que lá foram enterradas, como pelo luxo de alguns mausoléus, a ponto de ser considerado a maior galeria de art nouveau a céu aberto da América Latina. Mas não apenas art nouveau. No São João Batista, há sepulturas inspiradas nos estilos neoclássico, neogótico, art déco, eclético e moderno.

 

Falta aos brasileiros superarem certo preconceito em relação ao mundo dos mortos para que o São João Batista se torne um ponto de visitação obrigatório. Preconceito que já existia em 1852, diga-se de passagem – e sem trocadilhos –, quando o cemitério foi inaugurado. Ninguém queria enterrar seus mortos ali. Até então, o destino dos finados era o terreno de uma igreja. Havia na cidade apenas um cemitério: o Cemitério dos Ingleses, no bairro da Gamboa, inaugurado em 1811 e, como o nome diz, privativo de cidadãos de origem inglesa, em sua maioria militares que morriam durante as longas viagens ultramarinas.

 

 

Criado a partir do decreto imperial nº 842, de 16 de outubro de 1851, como medida sanitária, o São João Batista foi oficialmente inaugurado somente em 4 de dezembro de 1852, no dia que foi enterrada a menina Rosaura, de quatro anos, filha de Cândido Maria da Silva. Até 1855, no São João Batista seriam feitos 412 sepultamentos, e, nos anos seguintes, o número aumentaria exponencialmente com a transferência dos túmulos das igrejas e de pequenas necrópoles para lá. Foi o caso dos restos mortais do poeta Álvares de Azevedo, originalmente enterrados na antiga Praia da Saudade – onde hoje fica o Iate Clube do Rio de Janeiro –, em um túmulo que foi destruído por uma ressaca.

 

Entre os mais de 65 mil túmulos do São João Batista, destacam-se os de Dorival Caymmi, Clara Nunes, Cazuza, Luís Carlos Prestes, Oswaldo Cruz, Di Cavalcanti, Oscar Niemeyer, Heitor Villa Lobos, Carlos Drumond de Andrade, José de Alencar, Tom Jobim, Vinícius de Moraes, Chacrinha, diversos barões do Império, onze presidentes da República – Afonso Pena, Artur Bernardes, Eurico Dutra, Nilo Peçanha, José Linhares, Café Filho, Carlos Luz, Castelo Branco, Costa e Silva, Garrastazu Médici e Ernesto Geisel – e cerca de 70 imortais da Academia Brasileira de Letras, entre eles Guimarães Rosa e Machado de Assis. O enterro de Machado de Assis em 1908 parou a cidade, e o bairro de Botafogo assistiu a um dos maiores cortejos fúnebres da sua história. A multidão se repetiria em 1923, para o enterro de Rui Barbosa; em 1932, no funeral de Santos Dumont; em 1952, para sepultar o Rei da Voz Francisco Alves; e em 1955, na despedida da pequena notável Carmem Miranda.

 

A administração do São João Batista interrompeu a oferta de passeios gratuitos guiados pelo historiador e professor Milton Teixeira, o que é uma pena. O professor, que sempre morou em Botafogo, conhece toda a história – oficial e oficiosa – do cemitério das celebridades. Mas ainda é possível passear pelo cemitério por meio do Google Street View.

 

Informações: (21) 2594-1162

Endereço: Rua Real Grandeza S/N

 

Túmulo da Pequena Notável
 

Mausoléu dos Imortais (ABL)

 

Multidão acompanha o funeral de Santos Dumont

 

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Guerra e Paz

O endereço mais famoso de Botafogo

Botafogo nas telas de pintores viajantes

Sorriso negro de Botafogo

Tráfico ilegal de escravos em Botafogo

O historiador caboclo de Botafogo

Jacob do Bandolim em Botafogo

Um regente do Império em Botafogo

Desaparecido

Tragam seus mortos

Solo sagrado de Botafogo

Craque com fama de rebelde

Pasmado - histórias e polêmicas

Poder e loucura

Quem foi rei nunca perde a majestade

Os irmãos Farani

Elizeth Cardoso, a Divina, morou em Botafogo

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload