© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Os irmãos Farani

 

Os irmãos joalheiros Domenico (foto) e Cesare Farani vieram da Itália, em 1845, estabeleceram-se no Rio de Janeiro e aqui fizeram fortuna sob os auspícios da conterrânea Imperatriz Teresa Cristina, esposa do Imperador D. Pedro II. Moradores de Botafogo, os empreendedores Farani, mais tarde, entraram para o ramo da construção e abriram oito ruas no bairro, entre elas a que leva o seu sobrenome.

 

Desde que mundo é mundo, fortuna e poder costumam andar juntos. E a fortuna sorriu para os irmãos, que aqui ficaram conhecidos pelos nomes aportuguesados Domingos e César. Nascidos no pequeno povoado de Sapri, em Salerno, na Itália, eles aprenderam o ofício de ferreiro em Nápoles e resolveram tentar a sorte no Brasil.

 

Ao chegarem à capital do Império, em 1845, conheceram a imperatriz consorte Teresa Cristina de Bourbon, esposa de D. Pedro II e filha de Francisco I, rei das Duas Sicílias, reino europeu que, entre 1816 e 1861, compreendia os reinos da Sicília e de Nápoles. A princesa napolitana encantou-se com os dois conterrâneos que, além de ferreiros competentes, eram cultos e afáveis. A primeira grande encomenda aos Farani foi a cunhagem de novas moedas para a Casa da Moeda Imperial, pois o imperador não estava satisfeito com as grandes e pesadas moedas de bronze em circulação.

 

 

Com apoio de Teresa Cristina, os dois viajaram à Nápoles para fazer um curso de especialização em ourivesaria, com duração de um ano. De volta ao Rio de Janeiro, Domingos e César abriram uma joalheria no número 59 da antiga rua do Ourives – atual Miguel Couto –, no Centro do Rio. Além de cunhadores de moedas, agora César e Domingos eram donos da joalheria oficial da Casa Imperial e, por consequência, de toda a aristocracia carioca.

 

 

Prósperos, fidalgos e amantes das artes, os irmãos Farani transformaram sua joalheria em ponto de encontro de artistas e intelectuais. Os Farani eram populares a ponto de serem citados em obras de autores de renome, como Machado de Assis e Artur Azevedo:

 

“A casa da mesma rua, esquina da dos Ourives, onde ainda ontem (perdoem ao guloso) comprei um excelente paio, era uma casa de joias, pertencente a um italiano, um Farani, César Farani, creio, na qual passei horas excelentes. Fora, fora, memórias importunas!”
(Correspondências de Machado de Assis 1870-1889)

 

 “Nunca o Farani e o Luís de Resende cravejaram de brilhantes tantas condecorações”

(da peça Viagem ao Parnaso, de Artur Azevedo)

 

Os Farani abrem ruas em Botafogo

 

De ricos joalheiros, os irmãos Farani passaram a diversificar os negócios investindo na construção civil. Grandes proprietários de terras, os dois eram donos da maior construtora da capital na década de 1870. Além de construir imóveis em todo o Rio de Janeiro, iniciaram a urbanização de várias regiões da cidade, abrindo ruas, praças e jardins. Somente em Botafogo, foram oito novas ruas inauguradas em 1873: a Farani, que mais tarde seria ligada à rua Guanabara (atual Pinheiro Machado); a Barão de Itambi; a rua D. Ana, atual Jornalista Orlando Dantas; a rua Piedade, atual Clarice Índio do Brasil; a Visconde de Caravelas; a Visconde de Silva; a Pinheiro Guimarães; e a Visconde Abaeté, atual Conde de Irajá.

 

Também na construção, os irmãos Farani deixaram sua marca com urbanística moderna, distinta das velhas tradições coloniais lusitanas. Suas ruas eram amplas e seus projetos incluíam praças e jardins.

 

 

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Guerra e Paz

O endereço mais famoso de Botafogo

Botafogo nas telas de pintores viajantes

Sorriso negro de Botafogo

Tráfico ilegal de escravos em Botafogo

O historiador caboclo de Botafogo

Jacob do Bandolim em Botafogo

Um regente do Império em Botafogo

Desaparecido

Tragam seus mortos

Solo sagrado de Botafogo

Craque com fama de rebelde

Pasmado - histórias e polêmicas

Poder e loucura

Quem foi rei nunca perde a majestade

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload