© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Quem foi rei nunca perde a majestade

 

 Rua Real Grandeza  (1910 circa). Foto: Augusto Malta / Instituto Moreira Salles.

 

A rua Real Grandeza resistiu, com apoio popular, às várias tentativas de mudança de nome para ocultar a inspiração monárquica. Em 1826, ela foi inaugurada com esse nome pelo rico proprietário de terras Joaquim Batista Marques Leão. A partir da República, no entanto, tentou-se apagar o passado real. Às vezes, até reverenciando algum figurão republicano. Mas os nomes nunca emplacaram.  

 

O nome “rua da Real Grandeza” – ou, simplesmente, “rua Real Grandeza” – foi uma homenagem de Joaquim Marques Leão a D. João VI, rei do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves entre 1816 a 1822. Com a inauguração da Real Grandeza – e também da Nova de São Joaquim, atual Voluntários da Pátria – em 1826, Marques Leão dava início ao processo de urbanização do bairro, abrindo vias de circulação para atrair serviços e comércio para Botafogo.

 

E, de fato, foi o que aconteceu. A população cresceu, e, com ela, veio o transporte coletivo, a partir de 1867, por meio de bondes com tração animal da Companhia Jardim Botânico. A Real Grandeza foi, desde o início, uma das principais vias de transporte de Botafogo e ajudou a levar para o interior do bairro o comércio que antes se concentrava nos arredores da estação de barcas, na Enseada de Botafogo, em frente à rua São Clemente.

 

O golpe da República e a caça aos símbolos da Monarquia

 

Após o golpe militar que extinguiu a Monarquia em 15 de novembro de 1889, os primeiros atos dos novos donos do poder buscaram eliminar os símbolos do antigo regime, como a bandeira, o hino nacional e até mesmo os nomes de ruas! E foi assim que a rua Real Grandeza virou rua Sergipe. E, alguns anos depois – por um breve período – virou rua Almirante Wandenkolk, em homenagem ao ministro da Marinha do primeiro governo republicano. Mas não houve jeito de a população aceitar as mudanças. Assim, da mesma forma que os nomes haviam sido mudados, o prefeito do Distrito Federal Amaro Cavalcanti, em um novo decreto de 1917, tornou sem efeito o nome “rua Sergipe” – e de várias outras ruas da cidade –, restabelecendo boa parte dos nomes antigos. Na justificativa, ele escreveu: “Os nomes tradicionais, que o povo repete a cada instante, foram mudados por outros, que só existem nas placas”. Em resumo: os nomes não "pegaram".

 

 Almirante Wandenkolk e Demétrio Ribeiro: nomes que não "pegaram"

 

Em 1932, os republicanos voltaram à carga em nova tentativa de mudança do nome. Pelo decreto 6.065, de 6 de janeiro, a rua Real Grandeza passou, então, a se chamar rua Demétrio Ribeiro em homenagem a outro ex-ministro de Deodoro da Fonseca. Novo fracasso retumbante. Tanto que o nome Real Grandeza voltou em 1937, para nunca mais mudar.

 

A Real Grandeza permanece como uma das principais vias de acesso de Botafogo, inclusive para o bairro de Copacabana, desde que foi inaugurado o Túnel Real Grandeza, em 1892. Mais tarde, o túnel passaria a se chamar Alaor Prata, nome de um prefeito do Rio. Para variar, o nome não pegou, e hoje o túnel é popularmente conhecido como Túnel Velho.

 

Na Real Grandeza, não se veem resquícios da arquitetura típica do período monárquico, tampouco o fausto das mansões da São Clemente. Apenas serviços e o pequeno comércio de rua, herdeiro do primeiro comércio do bairro, tornado possível por Marques Leão e outros investidores privados. Para nos lembrar de que um dia houve um Brasil monárquico, há a Capela Real Grandeza do Cemitério São João Batista; o Real Hotel e – talvez como provocação – a Confeitaria Imperial, a mais antiga do bairro, inaugurada em 1932, em plena República, pelos portugueses Albino, Clarêncio e Manoel. Antes da Imperial, havia a famosa Padaria Bragança – nome da dinastia da família real –, que também foi fundada por um português – Albino Costa – e funcionou de 1922 até 1978. Os comerciantes talvez sentissem saudades dos tempos em que ministros do Império passavam de bonde pela Real Grandeza a caminho do Paço Imperial. Ou talvez tenham escolhido os nomes dos dois estabelecimentos por tradição, aqueles saberes que, transmitidos de geração em geração, nos dão conforto e um sentido de pertencimento.

 

Bondes da Companhia Jardim Botânico chegam a Botafogo (Facchinetti / 1871)
 

O Túnel Real Grandeza, inaugurado em 1892. Foto: Augusto Malta / Instituto Moreira Salles

 

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Guerra e Paz

O endereço mais famoso de Botafogo

Botafogo nas telas de pintores viajantes

Sorriso negro de Botafogo

Tráfico ilegal de escravos em Botafogo

O historiador caboclo de Botafogo

Jacob do Bandolim em Botafogo

Um regente do Império em Botafogo

Desaparecido

Tragam seus mortos

Solo sagrado de Botafogo

Craque com fama de rebelde

Pasmado - histórias e polêmicas

Poder e loucura

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload