© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Bruxarias

04.07.2018

 

 

Existem estudos literários bastante contundentes acerca da obra machadiana. Muitos destacam o pessimismo de Machado de Assis, sua visão iconoclasta, antirreligiosa e cética de mundo. No entanto, várias são as referências místicas na obra daquele que ficaria também conhecido como o “bruxo do Cosme Velho”.

 

O conto A cartomante figura como ótimo exemplo disto.

 

Mas é o romance Esaú e Jacó – conforme se vê na alusão bíblica do título – que conferirá mais ênfase à temática, dentro da obra machadiana.

 

A narrativa tem início com mãe e tia dos gêmeos Pedro e Paulo subindo o Morro do Castelo:

 

Natividade e Perpétua conheciam outras partes, além de Botafogo, mas o Morro do Castelo, por mais que ouvissem falar dele e da cabocla que lá reinava (...), era-lhes tão estranho e remoto (...) O íngreme, o desigual (...)

 

Iam atrás de uma tal “cabocla”, espécie de pitonisa, que vivia ali no morro:

 

Toda a gente falava então da cabocla do Castelo, era o assunto da cidade; atribuíam-lhe um poder infinito, uma série de milagres, sortes, achados, casamentos.

 

Como eram gente de certo nível social, as irmãs subiam o morro na surdina, meio às escondidas:

 

Se as descobrissem, estavam perdidas, embora muita gente boa lá fosse. Ao vê-las dando a esmola ao irmão das almas, o lacaio trepou à almofada e o cocheiro tocou os cavalos, a carruagem veio buscá-las, e guiou para Botafogo.

 

Que era onde gente de nível vivia. E queriam algo acerca do destino dos gêmeos que havia no ventre de Natividade. E o que dissera a jovem pitonisa à mãe?:

 

- Coisas futuras! Coisas futuras!

 

No futuro, os gêmeos – que se desentendiam desde o útero materno – não concordariam em nada: um seria ferrenho monarquista; o outro, visionário republicano. Um, extremamente conservador; o outro, progressista. Um de caráter duvidoso; o outro, mais ou menos gente fina.

 

Contudo, em algo concordariam – o que nenhuma bruxaria previra: no amor da mesma (interesseira?) jovem mulher. Motivo inconteste de discórdia eterna e batalha mortal. E onde é que vivia o motor dessa maldição imprevista pela cabocla?:

 

Natividade (...) acordou pensando nos filhos e na moça da São Clemente. Parece-lhe que Flora não aceita um nem outro, logo depois que os aceitava a ambos, e mais tarde um e outro alternadamente...

 

Na visão da mãe dos moços, que sapeca essa Flora: a “bruxa” da São Clemente!

 

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

Beleza, Maluco!

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload