© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Beleza, maluco!

21.06.2018

Foto divulgação

 

O autor brasileiro que mais vendeu livros em todo o mundo – pasmem! – nasceu em Botafogo;

 

(Publicado em 160 países pelo mundo afora, o cara hoje alcança a marca monstruosa de 140 milhões de exemplares);

 

O autor brasileiro dono de um jatinho Citation Excel, usado exclusivamente para deslocamentos pela Europa – é! – nasceu em Botafogo;

 

O autor que certa feita ficou retido na Islândia, devido à erupção do vulcão Eyjafjallajökull, e que – quando no Brasil – pede acarajé, moqueca e caipirinha de lima nasceu ali em Botafogo;

 

(Esse escritor brasileiro diz que costuma jogar no jardim privativo de seu refúgio suíço punhados de areia que leva da praia. De Botafogo);

 

O autor que, seja em Buenos Aires seja na Croácia, tem leitores descontrolados a exigirem autógrafos empunhando armas, a busca de tragos de suas palavras nasceu em Botafogo;

 

O mais vaidoso dos escritores, aquele que, paradoxalmente, por amor aos holofotes, se esconde numa aura de mistério, em suas exóticas andanças pelo mundo saiu de Botafogo;

 

O autor que tem por hábito hospedar-se em hotéis com nome falso, assim como fazem seus ilustres – não disse ilustrados! – leitores, Sylvester Stallone, Julia Roberts e Sharon Stone, veio de Botafogo;

 

Esse autor que, só no Irã espalhou dez milhões de livros e que durante década inteira figurou na lista dos best-sellers da Lituânia – e do Japão, e da Austrália e de cafundós inimagináveis, como o Cazaquistão – veio de Botafogo;

 

O escritor brasileiro que – gostemos ou não –, da mais ocidental praia lusitana aos confins do Leste Europeu, é reverenciado; e que – hoje – é um dos três autores mais lidos do planeta, junto aos de Harry Potter e de O Código Da Vinci saiu de Botafogo;

 

Esse autor – meus deuses! – se chama Paulo Coelho.

 

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

Instinto

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload