© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Mecenas...

06.06.2018

Clóvis Bulcão / divulgação

 

Empresários inescrupulosos, sempre os houve – e haverá.

 

Na Roma antiga, assim como bairros de má reputação, tipo Sodoma e Gomorra – os mais afamados pelo apetite sexual –, havia também bairros como o de Suburra – menos conhecido da história. Esse bairro, além de antro de tabernas, jogatinas e bordéis, notabilizar-se-ia por ser local onde membros de grandes famílias abastadas e seus representantes reuniam-se para tramarem, em surdina, indecentes falcatruas e obscuros negócios.

 

Mas não esqueçamos: foi nesse contexto que teve início a lógica do panem et circenses, isto é: a política de manipulação de massas por meio do “entretenimento precário, e do insosso pão”.

 

Plauto, o comediógrafo latino, denunciara à exaustão a fanfarronice inescrupulosa dos empreendedores romanos já ali por volta do século II a. C.

 

Na América – berço do liberalismo moderno –, pode-se destacar, por exemplo, gente do porte dos Rockefeller. No Brasil, houve um tempo em que tudo era Guinle: do Copacabana Palace ao Teatro Fênix, do Palace Hotel aos edifícios, logradouros, parques; tudo era Guinle. E isso não era fato isolado, ou gratuito.

 

Privando da intimidade do poder, do acesso irrestrito às mídias; detendo importantes contatos com o grosso do mercado financeiro – sempre na surdina –; e, ademais, interferindo com braços fortes em todas essas negociações nacionais, os Guinle viviam no auge.

 

E o bairro-sede da família seria Botafogo – sua Suburra:

 

Eduardo Guinle acordou angustiado em seu palacete em Botafogo, o mais sofisticado bairro do Rio de Janeiro na época. Até o meio da tarde ele saberia o resultado da licitação da qual participara com o amigo e sócio Cândido Gaffrée.

 

Sim. Naquele chique endereço, confabularam os sócios e ganharam, por exemplo, a licitação para explorar o maior porto brasileiro, o de Santos. Na sequência, sempre precisados de mais luz e energia, os Guinle comprariam briga com a Light, numa das mais ousadas querelas entre o capital nacional e o estrangeiro, no fornecimento de eletricidade ao Rio.

 

Um detalhe inusitado no estatuto da empresa quanto à vida íntima dos sócios “viralizou” entre os funcionários – bem como na high society inteira: Gaffrée e Guinle, os sócios, viviam no mesmo endereço, São Clemente 143. Ora:

 

Cândido, um homem reservado, tinha um palacete próprio também em Botafogo. Como explicar que constasse no estatuto o endereço do sócio como sendo o de sua residência?

 

Conta-nos o escritor, historiador e biógrafo Clóvis Bulcão – em Os Guinle – que, para os familiares de Cândido, ele e Guilhermina eram amantes. O marido pactuava. E arremata: os Guinle de baixa estatura seriam todos filhos de Cândido!

 

Dominando basicamente todos os grandes empreendimentos nacionais, não só o dinheiro, mas a glória e o glamour da fama lhes chegavam fácil:

 

(...) começavam a ficar conhecidos na corte. Cândido era retraído socialmente; já o amigo, ainda que discreto, mantinha um estilo de vida um pouco mais arrojado. A escolha de Botafogo como bairro para residência é uma mostra disso.

 

Logo, todos – de políticos a empresários, de puxa-sacos a escritores – todos queriam tirar sua casquinha:

 

A escritora carioca Carolina Nabuco, ainda jovem, se deslumbrava sempre que entrava na casa de Carlos, na enseada de Botafogo. O belíssimo jardim lateral, marcado por uma aleia de Palmeiras imperiais, dava o tom da imponente construção.

 

Até mesmo a alta realeza sucumbira ao poder de Botafogo. Sabendo que duas cabeças coroadas, o príncipe de Gales e o duque de Kent, estariam na cidade:

 

O casal não deixou passar a oportunidade e os convidou para a festa, no casarão de Botafogo. Ambos seriam, mais tarde, reis da Inglaterra — o primeiro era Eduardo VIII, e o segundo, Jorge VI, pai da rainha Elizabeth II.

 

E a realeza ficaria hospedada, of course, no imponente Copacabana Palace.

 

Com bom proselitismo investidor – e alguma pitada de religiosidade –, os Guinle também mexeriam com caridade, e com educação. Às mulheres da família – como era comum às elites – cabiam as ações caridosas:

 

Celina dedicou-se mais às ações de caridade, muitas vezes ao lado de dom Jaime Câmara, cardeal que passou a vida defendendo o bem-estar dos menos favorecidos, como quando abriu uma entidade em Botafogo de apoio à pobreza (...)

 

E foi assim que, num conluio entre Eduardo Guinle e o cardeal Leme, surgiriam as Faculdades Católicas, nos anos de 1940.

 

Esse projeto embrionário geraria a Associação de Amigos da Universidade Católica do Rio de Janeiro – futura PUC –, que, antes da Gávea, tinha seu núcleo inicial na rua São Clemente.

 

Os Guinle: fundadores da PUC.

 

Paternidade que muitos filhos da PUC por aí desconhecem...

 

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload