© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Aos 20

30.05.2018

 

A verdadeira Poesia é vaticínio. E, por conseguinte, é ato de extrema radicalidade, se considerados o caráter biologicamente virtual da mente humana e as desrazões do imaginário.

 

E, por ser radical, o ato poético é vigoroso e eternamente jovem. Independente da idade cronológica do poeta.

 

Contudo, o movimento romântico – que abarcou parte do século XVIII e o XIX inteiro – inventou o culto ao poeta morto, ou melhor: morto jovem. No caso brasileiro, três grandes nomes da poesia do Segundo Império cumpriram o vaticínio romântico: Castro Alves, o “poeta dos escravos”, morto aos 24; Casimiro de Abreu, autor de "Meus oito anos", que se foi aos 21; e Álvares de Azevedo, desaparecido aos 20.

 

Nascido na capital paulista, o autor de “Lira dos vinte anos” passaria a infância e a eterna juventude no Rio de Janeiro. Primeiramente, numa escola pública de Niterói “onde queriam corrigir-lhe as fugas de atenção a golpes de palmatória”. Porém, para sua salvação poética, “transferiram-no os pais para o colégio Stoll, instalado em Botafogo por excelente mestre estrangeiro”.

 

E foi no bairro que sua infante poesia se instaurou e, seguindo as normas de seu mentor londrino, o lord Byron – “eat, drink and love” –, se expandiu e ganhou vida:

 

Eu durmo e vivo ao sol como um cigano

Fumando meu cigarro vaporoso

Nas noites de verão namoro estrelas

Sou pobre, sou mendigo e sou ditoso

 

Azevedo viveu a juventude do Rio, em época bucólica e higiênica, em que competidores de barco a vela e de natação se revezavam nas águas cristalinas da enseada. Bem como fanfarrões de toda espécie:

 

Deve ter sido uma sensação para toda a cidade e, especialmente, para a meninada do colégio Stoll, a tentativa do homem-peixe, nas proximidades do educandário, na Praia de Botafogo.

 

Apesar de ter contraído a tuberculose, o “mal do século” que ceifava vidas de poetas adolescentes, impetuosos e imprudentes, Azevedo vaticinara a própria morte, dias antes, no clássico “Lembrança de morrer”:

 

Quando em meu peito rebentar-se a fibra, 
Que o espírito enlaça à dor vivente, 
Não derramem por mim nenhuma lágrima 
Em pálpebra demente.

 

Morte que ocorreria – depois da prática de muito eat, drink e algum love – inusitadamente, em consequência do hobby menos radical do vate romântico:

 

(...) o poeta saíra, para um passeio a cavalo, como costumava fazer, por Botafogo (...), de onde às vezes trazia o resultado de suas explorações no domínio da botânica.

 

E fora justamente num desses passeios que o poeta caíra do cavalo.

 

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload