© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Mordidelas ao pescoço

23.05.2018

 

 

Há bairros que se notabilizam pela quantidade de assassinatos ali cometidos. No Rio de Janeiro da “bala perdida” – eufemismo difícil de explicar no estrangeiro –, quase nenhum bairro escapa de entrar nessa macabra estatística, sobretudo quando a contabilidade é feita do Rebouças para lá, no sentido subúrbio e Zona Norte da cidade.

 

Dura realidade.

 

Em se tratando de ficção, a literatura universal também tem frequentemente se ocupado em destacar bairros dentro das variadas cidades do mundo, onde clássicos autores ambientam seus personagens e suas mirabolantes tramas assassinas.

 

Assim foi com o Vampiro de Curitiba, do esquecido Dalton Trevisan, ficção na qual o estuprador Nelsinho espalharia sua misoginia por quase todos os bairros da cidade; assim seria também com o serial killer londrino, que logo obteve notoriedade literária e, mais tarde,passaria à história como Jack, o estripador.

 

O escritor e jornalista Luciano Trigo, em Vampiro, vai situar seu assassino em série – um misto de Jack e Nelsinho – justamente no bairro de Botafogo:

 

Dessa forma, para espanto do protagonista, numa pacata manhã, no jornal:

 

(...) Adolescente encontrada morta em Botafogo. Minha primeira expectativa ao procurar a matéria na página indicada era que houvesse uma foto, um rosto que, ao mesmo tempo, tornasse aquela notícia "verdadeira" e, por se tratar de um rosto desconhecido, me permitisse assimilá-la como uma espécie de ficção.

 

Num alívio quase frustrado, o personagem constata:

 

Não havia nenhuma fotografia na matéria em questão, apenas um pequeno texto em uma coluna: fulana, dezenove anos, encontrada morta na madrugada de ontem, na rua Sorocaba.

 

 

A mescla de Jack, o estripador e Nelsinho – o vampiro de Curitiba – confere autenticidade e nonsense ao personagem de Trigo que, vampirescamente, morde as mulheres – antes de estripá-las:

 

— Sim, este psicopata está assassinando mulheres em Botafogo. Aliás, você não mora em Botafogo? Ele matou mais de uma mulher. — Moro, sim. — Você não lê o jornal (...)? Noite passada descobriram o corpo de uma adolescente na rua da Passagem.

 

Devido à voracidade libidinosa com que o protagonista exerce, na trama, seu sex appeal pelas ruas do bairro, realidade e ficção, à certa altura da narrativa, passam a se confundir na mente do próprio narrador:

 

Então me ocorreu uma hipótese que me deixou em pânico absoluto: seria eu o assassino das jovens encontradas mortas em Botafogo?

 

Enquanto a dúvida ronda a confusa cabeça do personagem na ficção, do lado duro da realidade a notícia – verdadeira ou falsa? – circula e não para:

 

“Inflação dispara”, “Mais uma jovem encontrada morta em Botafogo”.

 

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload