© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Um regente do Império em Botafogo

 

Se, nos tempos do Império, o Caminho de São Clemente – atual rua São Clemente – era endereço da alta nobreza, a rua Nova de São Joaquim – atual Voluntários da Pátria –, por sua vez, era habitada pela baixa nobreza e pelos emergentes, nem tão ricos, nem tão nobres. A exceção era o baiano José Joaquim Carneiro de Campos (1768-1836), conhecido como Visconde de Caravelas, político de confiança de D. Pedro I. Ele morava com a família em um casarão, ali pela altura do número 49 da rua, próximo de onde hoje fica o cinema Estação Net Rio.

 

Caravelas, que estudou na Universidade de Coimbra – como quase todo membro da elite daquela época –, começou a trabalhar como oficial da Secretaria da Fazenda de Portugal. De volta ao Brasil, foi deputado geral, ministro da Justiça, ministro dos Negócios Estrangeiros, conselheiro do Império e senador do Império do Brasil de 1826 a 1836.

 

Político, advogado, diplomata e professor, José Joaquim Carneiro de Campos pertencia ao grupo político chamado de “portugueses absolutistas”, que, após a independência do Brasil, pregavam uma monarquia absolutista com D. Pedro I. Numa época em que ainda não havia partidos políticos, os outros grupos eram os “bonifácios” – ligados a José Bonifácio de Andrada e Silva, mais liberais – e os “federalistas”, favoráveis à redução dos poderes do Imperador.

 

A proximidade com D. Pedro I daria papel de destaque ao político baiano nos anos que se seguiram à independência.

 

Ele redigiu as primeiras leis


Conquistada a independência, a jovem nação precisava de uma Constituição. Assim, no dia 3 de maio de 1823, foi instaurada a Assembleia Constituinte no local em que ficava a Cadeia Velha – mau presságio!

 

D. Pedro I, inicialmente, nutria simpatia pelas ideias mais liberais do amigo e conselheiro José Bonifácio. Acontece que o Imperador era liberal pero no mucho. Ao perceber que a radicalização dos debates da Constituinte levaria à redução de seus poderes monárquicos, D. Pedro I resolveu mostrar quem é que mandava. No dia 12 de novembro, ordenou ao exército a invasão do Congresso, dissolvendo a Assembleia Constituinte, prendendo e mandando para o exílio diversos deputados – entre eles os irmãos Andradas, José Bonifácio, Martim Francisco e Carlos Ribeiro – no episódio que ficou conhecido como "Noite da Agonia".

 

O visconde foi contra a dissolução da Assembleia Constituinte e, como forma de protesto, deixou o governo. Meses mais tarde, ele estaria entre os dez nomes escolhidos para compor o Conselho de Estado encarregado de redigir o projeto da Constituição, que seria outorgada pelo imperador em 25 de março de 1824. Coube ao Visconde de Caravelas a redação da maior parte da primeira Constituição do Brasil, que foi também a mais longeva, durando 65 anos até a proclamação da República.

 

O nobre exerceria vários cargos de destaque no Primeiro Império, entre eles – e o mais importante – o de membro da Regência Trina Provisória, que assumiu o governo do Brasil em 1831, após a abdicação de D. Pedro I em favor de seu filho Pedro II, menor de idade. Os outros dois membros da Regência Trina Provisória foram Francisco de Lima e Silva, pai do Duque de Caxias, e Nicolau Pereira de Campos Vergueiro, o “Senador Vergueiro”.

 

Pelos relevantes serviços prestados ao Império Brasileiro, ele alcançou o título de marquês em 12 de outubro de 1826. Para os moradores de Botafogo, ficou o Visconde de Caravelas, nome de rua.

 

  Endereço aproximado da residência do Visconde de Caravelas, na atual rua Voluntários da Pátria 49

 

 

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Guerra e Paz

O endereço mais famoso de Botafogo

Botafogo nas telas de pintores viajantes

Sorriso negro de Botafogo

Tráfico ilegal de escravos em Botafogo

O historiador caboclo de Botafogo

Jacob do Bandolim em Botafogo

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload