© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Morte anunciada

10.05.2018

 

A bem da verdade filosófica – desde Aristóteles –, a expressão tragédia tem conotações bastante específicas. Equivale a complexo conceito: grosso modo, o humano incorre no trágico sempre que, ao fugir do próprio destino, com ele, à frente, se depara.  Portanto, o termo tragédia, utilizado cotidianamente pelo mass media, enquanto sinônimo de toda e qualquer fatalidade, serve e se adequa ao senso comum – embora esteja conceitualmente equivocado.

 

De início, algo já parecia dar errado naquela última noite do longínquo – e fatídico – ano de 1988.

 

Muitos não contornariam a curva do Pão de Açúcar; tantos não veriam o esplendoroso foguetório no céu; alguns tampouco brindariam ou chegariam a virar aquela madrugada; outros jamais sairiam daquele mar:

 

(...) mesmo na enseada de Botafogo, onde aconteceria o embarque, e em toda a baía de Guanabara, na qual, de tão tranquilas, as águas abrigadas não raro costumavam se assemelhar a um espelho, era possível perceber pequenas ondas. Flocos brancos de espuma mostravam aos marinheiros mais experientes (...) que fora da barra o mar poderia estar agitado. 

 

E estava.

 

 

Afora isso, a embarcação utilizada para o frugal e inexpressivo passeio – nada mais que o contorno do morro Pão de Açúcar –, objetivando os fogos suntuosos do Réveillon na praia da Copacabana, não era nada adequada.

 

Basta dizer que a bordo havia cerca de 150 pessoas, quando o permitido seria o equivalente à metade desse número. Sem coletes. Sem botes. Sem nada. Presságios?

 

Em Bateau Mouche: uma tragédia brasileira, o escritor e jornalista Ivan Sant’Anna – refrescando a memória do tempo – retoma os 30 anos passados do “trágico” naufrágio que vitimou inocentes ao mesmo tempo em que deixou impunes corjas de investidores criminosos e irresponsáveis.

 

Além de todas as impropriedades técnicas da embarcação, a pesquisa de Sant’Anna revela a miséria a que os pilantras empresários submeteriam a seleta plateia – os Fiszman, os Lerner, os Wajngarten, os Camargo, os Abud, além de uma pá de gringos chics:

 

O Bateau Mouche se revelou uma enorme decepção para quem imaginou virar o ano numa festa chique e sofisticada. Além da decoração pouco refinada, havia no bar apenas uísque nacional, vinho Château Duvalier e cerveja (...)

 

Ivan Sant’Anna denuncia, outrossim, que o “sofisticado” Bateau Mouche IV não passava de um lagosteiro maquiado. E que, mais tarde, mal reformado e batizado Kamaloka, serviria também de puteiro flutuante a propósitos escusos de lascivos executivos na cidade:

 

Bateau Mouche IV zarpou do cais do Sol e Mar com quinze minutos de atraso, às 21h15. Da enseada de Botafogo, o Bateau seguiria até Copacabana, tendo à sua direita (boreste) o Iate Clube do Rio de Janeiro — que ficava num aterro que antes fora o Aeroclube do Brasil —, o bairro da Urca, a fortaleza de São João, o morro da Urca e o costão do Pão de Açúcar (...)

 

O barco, apresentando todas as irregularidades possíveis, ainda retornaria ao cais, ali no píer do restaurante Sol e Mar – atual Real Astoria. Fora interceptado pela Capitania dos Portos. E já fazia água:

 

(...) A poça acumulada já era o início do processo de “água aberta”, e com o Bateau ainda imóvel na enseada de Botafogo. Do lado de fora da baía de Guanabara, as condições do mar haviam piorado, inclusive no trecho entre a boca da enseada retangular da praia Vermelha e a ilha de Cotunduba, por onde o Bateau IV teria de passar em sua rota para Copacabana. Naquele ponto, ondas de meio metro de altura se sucediam a intervalos de 3,5 segundos (...)

 

Conta Ivan Sant’Anna que Vidal e Rivera – donos da empresa de passeios – mostraram, às carteiradas, sua força à guarda costeira no cais de Botafogo. E lá se foi o Mouche, livre, leve, solto. E lotado.

 

(...) à medida que o Bateau se afastava da enseada de Botafogo, rumo ao canal de navegação situado entre a ponta nordeste da fortaleza de São João e o forte da Laje, o mar tornava-se mais encrespado. À frente da embarcação, erguiam-se, na rota para Copacabana, os sólidos e imponentes rochedos dos morros da Urca e do Pão de Açúcar, marcos indeléveis da silhueta curvilínea da orla do Rio de Janeiro.

 

Muito antes do fim da festa, o conjunto musical Café com Leite – que tocou à exaustão enquanto a confusão ocorria –, os Fiszman e os Camargo e os Abud, os mais de cinquenta passageiros e os tripulantes: todos, fatalmente, mortos.

 

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload