© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

O historiador caboclo de Botafogo

 

Foi preciso um nordestino de origem humilde para o povo entrar na história do Brasil. Antes de o cearense João Capistrano Honório de Abreu aparecer, a população não passava de coadjuvante nos belos quadros de batalhas de Victor Meirelles e Pedro Américo. Assim mesmo, tratavam-se das gentes do litoral.  O Brasil desconhecia o Brasil dos sertões. Pelo menos até Capistrano de Abreu, morador do bairro, revolucionar a história do Brasil, que, antes de seu trabalho pioneiro, era uma história sem povo.

 

Capistrano de Abreu iniciou suas pesquisas por um episódio da história que considerou um marco: as batalhas para expulsão dos holandeses do Nordeste do Brasil.

 

"Venceu o espírito nacional. Reinóis como Francisco Barreto, ilhéus como Vieira, mazombos como André Vidal, índios como Camarão, negros como Henrique Dias, mamalucos, mulatos caribocas, mestiços de todos os matizes combateram unânimes pela liberdade divina. Sob a pressão externa operou-se uma solda, superficial, imperfeita, mas um princípio de solda, entre os diversos elementos étnicos."

 

A originalidade do trabalho de Capistrano de Abreu residia na abordagem engajada. “A mim me preocupa o povo, durante três séculos capado e recapado, sangrado e ressangrado", dizia. Por essa visão brasileira e popular – ainda não havia o termo “populista” –, foi apelidado de “historiador caboclo”.

 

Ele fazia parte da geração que lutou contra a escravidão e pela República. Para Capistrano de Abreu, a história era, ao mesmo tempo, gênero literário e ciência. Em suas pesquisas, ele utilizava conceitos em voga no seu tempo: positivismo, evolucionismo, determinismo geográfico e sociologia.

 

Capistrano trouxe a pesquisa empírica para o primeiro plano. Segundo a historiadora Alice Canabrava, ele se interessou “pelo povo propriamente dito, os segmentos populacionais que trabalham a terra, os que labutam nas tarefas artesanais ou nos afazeres do comércio". Assim, a reconstrução histórica deixou de focar apenas nas grandes figuras da história e passou a incluir aqueles que Capistrano chamava de “povo comum”.

 

Entre centenas de trabalhos de Capistrano de Abreu publicados, destacam-se as obras Caminhos antigos e povoamento do Brasil (1899), em que o pesquisador investigou o esforço de conquista do território e seu povoamento; O descobrimento do Brasil (1883), em que discute as pretensões estrangeiras sobre o território nacional e disserta sobre seus temas preferidos – o litoral, o sertão, o povoamento e a população –; e Capítulos da História Colonial (1907), obra que o historiador Nelson Werneck Sodré (1911-1999) considerou essencial.

 

Euclides da Cunha – autor de Os sertões, obra jornalístico-literária fundamental – foi fortemente influenciado pelo trabalho de Capistrano, assim como foram Gilberto Freyre (Casa Grande & Senzala), Darcy Ribeiro (O povo brasileiro), Caio Prado Júnior (Formação do Brasil contemporâneo), Sérgio Buarque de Holanda (Raízes do Brasil) e Nelson Werneck Sodré (Formação histórica do Brasil).

 

Capistrano, que estudou línguas indígenas para melhor compreender a geografia do país, percebeu – como ninguém de seu tempo – os contrastes entre o litoral e o sertão. Ele notou a importância do estudo do povoamento e da valorização da mestiçagem étnica e cultural. O grande mérito do Historiador Caboclo está na interpretação que só alguém com grande formação humanista poderia oferecer.

 

Avesso a badalações, Capistrano recusou o convite para fazer parte da Academia Brasileira de Letras. Passou os últimos meses de vida recluso no porão de sua casa, na antiga travessa Honorina 45, cercado de livros por todos os lados, até morrer em agosto de 1927.

A travessa Honorina virou rua Capistrano de Abreu em justa homenagem ao humanista, cujo trabalho é ainda mais importante nos tempos sombrios em que vivemos.

 

 Rua Capistrano de Abreu 45, endereço do Historiador Caboclo.

 

 

 

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Guerra e Paz

O endereço mais famoso de Botafogo

Botafogo nas telas de pintores viajantes

Sorriso negro de Botafogo

Tráfico ilegal de escravos em Botafogo

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload