© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Luz no túnel

03.05.2018

 

 

Há uma ignorância generalizada no ar. Momento ideal para que o “idiota da aldeia” entre em ação.

 

O pensador italiano Umberto Eco alertava para o fenômeno há tempos. Mas, cuidemos: o idiota* em aldeia global, internético e midiático está cheio de si, de razões. Se pensa ilustrado e, repleto de más intenções, vem também acompanhado das mais díspares e estapafúrdias finalidades ideológicas. Até mesmo a de angariar dinheiro. Além, evidentemente, a de confundir.

 

Afinal, quem está por trás das chamadas fake news e dos memes? Na era pós-Gutemberg, a mente do idiota se ergue e se espalha pala além das fronteiras de sua própria aldeia!

A quem atribuir, por exemplo, equívocos históricos em relação a importantes momentos ideológicos que formataram os séculos XVIII, XIX e XX, como o anarquismo, o socialismo, o nazismo, o comunismo? A quem interessa essa negação da história por intermédio da manipulação obtusa e confusa de tão relevantes conceitos seculares?

 

Houve um tempo em que todas as pessoas progressistas, humanistas e ditas “de bem” – estudantes, operários, escritores, pensadores – eram comunistas. Sobretudo considerado o contexto de desconserto em que incorria o mundo, ali por volta da metade do século passado.

 

Jorge Amado, fechando épica trilogia em Os subterrâneos da liberdade, narra a eclosão deste momento sombrio: na Espanha, Guerra Civil e Franco; na Alemanha o início do segundo conflito mundial; o fascismo avançando na Itália; e, entre nós, era em que Vargas cai nas graças de Hitler e Mussolini.

 

Ser comunista representava, então, ser contra tudo isso.

 

Verdadeiros heróis da epopeia de Amado, os comunistas serão impiedosamente caçados e torturados pela polícia, que tem o fim de exterminar o partido. Enquanto políticos, banqueiros, empresários e donos de jornais locupletam-se com a confusão, nos bairros operários a polícia prende e tortura líderes sindicais – e nas coxias do Estado Novo facções pró-nazistas e pró-americanos abocanham as benesses do Poder.

 

A despeito de todo esse contexto, o baiano e engajado Jorge Amado consegue trazer a sua sensualidade para o Rio, sede do Estado Novo e onde seus poderosos desfilam:

 

(...) o ex-ministro passeou o olhar desinteressado pela enseada esplêndida de Botafogo onde os raios do sol tropical criavam audaciosas cores sobre o verde do mar e o verde das árvores. Uma figura apressada de mulher, modestamente vestida mas de formoso perfil, andando ao lado da balaustrada, fê-lo concordar. — Bonita, não há dúvida. (...) nesse Rio tem cada mulherão (...) Do meu lugar de senador, é do que mais sinto falta (...)

 

Jorge fora deputado comunista. Assim como uma vastidão de escritores e poetas – urbi et orbi. E um dos episódios narrados neste romance, que tem por subtítulo A luz no túnel, é justamente o julgamento de Prestes, o maior líder comunista brasileiro:

 

Chegando quando dois tiras abriam caminho para Venâncio Florival e Artur Carneiro Macedo da Rocha, meteu-se atrás deles, um investigador quis barrar-lhe a entrada mas Venâncio, reconhecendo nela a moça antevista em Botafogo, perguntou-lhe: — Quer entrar? — Sou jornalista — respondeu Mariana. — De um jornal de São Paulo. — Deixa a moça entrar — recomendou o ex-senador a um policial. E ela viu-se de repente na sala repleta.

 

Sim. Naquele tempo, também repleto de bom senso, jornalistas admiravam líderes comunistas:

 

A moça sobre quem se tinham pousado os olhos de Venâncio Florival, na enseada de Botafogo, era Mariana.

 

Dirigindo-se para a sede do Tribunal de Segurança, a moça dizia, palpitante:

 

— Ficarei num canto, só quero é ver Prestes. Nunca o vi, é uma oportunidade única.

 

Em que espelho ficou perdida a nossa face?

 

* idiota (do grego antigo): cidadão privado, individualista e simplório, mas que se acha ilustrado e global.

 

A trilogia Subterrâneos da Liberdade

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload