© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Tráfico ilegal de escravos em Botafogo

 

O cruzador inglês Curlew na Enseada de Botafogo (fonte: Acta militaria)

 

Após a proibição do comércio de escravos – definida no tratado de 1826 entre Brasil e Inglaterra –, a Praia de Botafogo tornou-se um dos pontos de receptação de africanos contrabandeados, que, muitas vezes, eram trocados por sacas de café.

 

Vem dessa época a expressão “pra inglês ver”, pois traficantes – com a vista grossa dos políticos, do Judiciário, das autoridades e das indústrias que utilizavam mão de obra escrava – ignoravam a proibição. Por outro lado, os britânicos, cansados de serem ludibriados, passaram a abordar e a apreender embarcações suspeitas no interior dos portos e nas praias do Rio de Janeiro, o que violava a soberania do país.

 

Em 1817, havia sido criada uma comissão mista anglo-brasileira para resolver disputas judiciais entre cidadãos dos dois países. Pelo lado britânico, Frederick Grigg, morador de Botafogo, era um dos membros da comissão.

 

 Casa de Mr. Grigg depois da ponte de Botafogo (E.E. Vidal)

 

Em 1836, Mr. Grigg relatou ao seu governo que, em setembro daquele ano, cerca de 30 a 40 negros escravizados haviam sido encontrados pela polícia local lavando-se em uma praia próxima à Fortaleza de São João. E que, ao se aproximarem, os soldados foram recebidos a bala pelos traficantes – bem mais numerosos – e obrigados a fugir para os lados de Botafogo, trazendo apenas alguns poucos africanos que conseguiram resgatar.

 

A comissão mista era um verdadeiro cabo de guerra: enquanto os comissários Grigg e John Samo autorizavam o apresamento das embarcações suspeitas, representantes brasileiros protestavam, absolviam os acusados e, não raramente, estimulavam pedidos de indenização.

 

Foi o caso do barco “Dous amigos”.

Na manhã do dia 14 de junho de 1843, o cruzador britânico Curlew, com 10 bocas de canhão, entrou na Enseada de Botafogo visando a um barco suspeito ancorado perto da praia. O comandante John Foote enviou um bote com homens armados para abordar e capturar o Dous Amigos, equipado para o tráfico de escravos. Com a aproximação do bote, o capitão do barco Jacob Maurity e sua tripulação fugiram.

 

O comerciante José Bernardino de Sá, proprietário do Dous Amigos, levou mais de três meses para reclamar o barco – àquela altura resumido a restos do casco – e seus pertences. Ele entrou com um pedido de indenização por danos materiais e lucro cessante. Segundo alegou, o barco tinha como destino o porto de Cotinguiba, em Sergipe. Os comissários do lado brasileiro deram ganho de causa ao comerciante, mas Grigg e Samo indeferiram o pleito. Segundo eles, as “provas” apresentadas eram claramente forjadas ou não tinham valor legal. 

 

A comissão mista era palco de embates constantes. Grigg e Samo denunciavam as péssimas condições em que se encontravam os africanos livres que trabalhavam nas obras da prisão correcional, em situação pior do que a de condenados. Os brasileiros respondiam que o operariado inglês –  assalariado e livre, mas sem direitos sociais – não gozava de tanta liberdade como os africanos livres.

 

É possível que ambas as partes tivessem razão. Se navios britânicos perseguiam barcos de traficantes de escravos “por razões humanitárias”, a Grã-Bretanha, nova dona dos mares, explorava a maior parte das colônias no continente africano.

 

Apesar das leis criadas para coibir o tráfico e do empenho dos representantes ingleses, mais de 120 mil africanos foram introduzidos ilegalmente no país entre 1830 e 1850. Em 1888, quando foi abolida a escravidão, os velhos senhores de escravos ainda se acharam no direito de exigir indenizações ao governo brasileiro. Esse problema foi resolvido por Rui Barbosa, quando ministro da Fazenda do primeiro governo republicano. O advogado residente em Botafogo mandou queimar todos os registros relativos ao comércio de escravos. Ninguém recebeu indenização. Em compensação, perdeu-se o registro histórico de uma ignomínia. Por sorte, ainda podemos contar, como fontes de pesquisa, com relatos precisos dos burocratas ingleses, que eram chamados pelos escravocratas genericamente de “malditos ingleses”.

Escravos trocados na praia por uma saca de café (Paul Harro-Harring)

 

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Guerra e Paz

O endereço mais famoso de Botafogo

Botafogo nas telas de pintores viajantes

Sorriso negro de Botafogo

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload