© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Ebó em Bota

25.04.2018

 

 

Macumba e Zona Sul, aparentemente, não combinam.

 

Pouca credibilidade teria um terreiro em cobertura na Vieira Souto ou na católica Nossa Senhora de Copacabana. Porém, muito embora os verdadeiros terreiros por ali não se criem – e o próprio nome do templo nos sugere terra, pé-no-chão –, os despachos nas esquinas e os descarregos no mar são bastante comuns nesta região da cidade.

 

Na literatura carioca, há aquela clássica cena da cigana do morro do Castelo, relatada pelo Bruxo do Cosme Velho, mas isso fica para uma outra ocasião.

 

O mar acaba sendo atração maior para os vários autores mineiros que, sem litoral de onde extrair estórias, vêm ao Rio se extasiar. E com Paulo Mendes Campos não foi diferente. Logo, numa bela manhã de cooper:

 

Sete horas da manhã quando o guarda-vidas Alexandrino, moreno bem brasileiro, chegou à praia de Botafogo. (...) Manhã de vento, mais para fria e nebulosa, anunciando pouco serviço. Com uma vareta o guarda-vidas começou a desenhar na areia um excelente elefante (...)

 

Assim tem início a crônica O balé do pato, em que Mendes Campos relata a cena de um inusitado ebó em plena Enseada de Botafogo:

 

(...) erguendo a cabeça, viu que entrara na praia uma linda senhora loura. Até aí tudo normal. Mas acontecia que a bonita senhora chorava a cântaros, tocando o coração do bom Alexandrino (...)

 

Ocorre é que a bela senhora – que era macumbeira – falava em francês e trazia embaixo do braço um pato preto que, súbito, lançou ao mar:

 

— Mãe-de-santo mandou jogar pato no mar – disse a mulher, em transe, entre sotaques e soluços. Sim. Num terreiro lá da Baixada, mãe-de-santo mandara que a gringa lançasse um pato preto justo na praia de Botafogo, às sete em ponto duma sexta-feira; se pato nadasse para o mar, marido voltava; se fugisse para a terra, au revoir marido. 

 

Na sequência da cena, a dona choramingava e bradava repetidamente:

 

— Le canard a nagé vers la plage! Le canard a nagé vers la plage! * 

 

O francês de Alexandrino não andava em dia, mas – malandro que era – entendera o drama e idealizara de pronto um plano:

 

—   (...) acontece, madame, que nos casos como esse o pato não pode ser preto. Tem de ser branco.

—   Senhor compreende macumba?

—  Pai-de-Santo, madame.

 

A francesinha logo parou de chorar e, indagando onde poderia comprar um pato àquela hora, partiu com o moreno ali pro início da São Clemente, onde ficava um aviário.

Um quarto de hora depois, a moça voltava com um pato, branco e soberbo.

 

Bem, qual a direção escolhida pelo pato branco?, não conto, não conto, não conto!

 

Leiam.

 

Mas o ebó do moreno Alexandrino – isso, sim – mudou o rumo da gringa!

 

 

*Le canard a nagé vers la plage! = o pato nadou em direção à praia!

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload