© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Bárbaro

11.04.2018

Oswald de Andrade

 

 

O Modernismo brasileiro eclodiu em São Paulo. E as razões para que isso ocorresse não são assim tão claras, mas o certo é que, ali pelos idos de 1920, a capital paulista despontava como centro financeiro do País, e lá não apenas se concentravam artistas prenhes de talentos e ideais, como também picaretas ávidos de patrocínios – e de fama. E era em Sampa onde estavam todos os mecenas. Quem eram os “déspotas esclarecidos” de então?: a burguesia cafeeira recém-enriquecida, refestelada na metrópole, e movida a muito uísque, gim e foxtrote.

 

Contudo, curiosamente, o surgimento do mais relevante nome do Modernismo no Brasil – Oswald de Andrade – não careceu do mecenato cafeeiro, e por um simples fato: era rico, herdeiro de abastada família latifundiária. Motivo pelo qual teve o privilégio de circular Europa afora, fazendo contato com o que de mais avançado havia em termos de vanguarda no mundo da arte.

 

Foi numa dessas conexões Sampa-Europa, embebido de ideias alienígenas, que o papa do Modernismo nacional idealizou e emitiu os mais importantes documentos-guia do movimento que marcou – na cultura – o limiar do século passado: o Manifesto Pau-Brasil e o Manifesto Antropofágico.

 

Como o cosmopolitismo do poeta paulista sempre arrumava pretexto para fugir da agitada vida em São Paulo, Oswald frequentemente embarcava num trem para vir ao Rio prosear com os amigos cariocas.

 

Uma vez no Rio de Janeiro, o poeta, dramaturgo e ensaísta hospedava-se na casa do tio, também escritor, Inglês de Sousa, morador do famoso palacete da rua São Clemente, 271.  Advinha, então, qual o bairro do Rio que, em forma de reminiscência, figurará no citado – e cifrado – Manifesto Pau-Brasil, bússola do movimento modernista nacional?:

 

 

A Poesia existe nos fatos. Os casebres de açafrão e de ocre nos verdes da Favela, sob o azul cabralino, são fatos estéticos. O carnaval no Rio é o acontecimento religioso da raça. Pau Brasil. Wagner submerge ante os cordões de Botafogo. Bárbaro e nosso.

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload