© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Luís Carlos Prestes com a mãe e as duas irmãs em Botafogo.

 

Botafogo foi famoso por abrigar, no passado, a nata da aristocracia carioca. O que poucos sabem é que aqui também morou Luís Carlos Prestes, líder comunista, cujo sonho era a revolução socialista contra essa mesma aristocracia.

 

Luís Carlos Prestes chegou ao Rio de Janeiro em 1904, com apenas seis anos de idade. O pai dele – o capitão do Exército Antonio Pereira Prestes – sofrera um AVC e havia sido transferido do Rio Grande do Sul, com toda a família, para a Capital Federal, onde teria acesso a melhores cuidados médicos.

 

Após uma rápida estada na casa da avó de Luís Carlos, na Tijuca, a família se mudou para uma casa em Botafogo, na esquina das ruas Dezenove de Fevereiro e General Polidoro. Lá passaram a morar o casal Antonio e Leocádia, os filhos – Luís Carlos, Clotilde e Heloísa – e a empregada Amélia, que veio do sul com a família.

 

Luís Carlos Prestes guardava algumas lembranças vívidas daquele período. Da janela da casa, ele teria visto, com assombro, o primeiro automóvel, “de um ricaço que passeava por ali”. Também se recordava do enterro de Machado de Assis, que parou o bairro em 1908.

 

Em 12 de janeiro do mesmo ano, o pai de Prestes havia morrido na nova residência, na rua Conde de Irajá. O menino Luís Carlos tinha, então dez anos. Administrando uma módica pensão e com ajuda eventual da família, d. Leocádia Prestes procurava educar os filhos da melhor maneira possível, com muitas dificuldades. Luís Carlos lembrava-se de ter frequentado uma escola particular de Botafogo por alguns meses, mas aprendeu a ler e a fazer contas em casa com a mãe, uma mulher extremamente culta, que também lhe ensinou a tocar cítara.

 

D. Leocádia resolveu matricular o filho em uma escola pública do bairro, enquanto ele aguardava a chance de disputar uma vaga para o Colégio Militar, no ano seguinte. A experiência foi a pior possível. Franzino e ostentando um vasto topete, Prestes foi logo apelidado de “topete de garnizé” pelos colegas. Certo dia, ao protestar contra as inúmeras provocações, foi cercado por cinco ou seis colegas e reagiu a dentadas. Ainda não era, então, um “comunista comedor de criancinhas”, mas já começava a colocar as presas de fora.

 

 A Coluna Prestes

 

Com a mãe progressista e politicamente atuante, Prestes deu os primeiros passos na política. D. Leocádia levava Luís Carlos aos comícios de Rui Barbosa, candidato que ela apoiou para a Presidência da República, nas eleições de 1910, contra o marechal Hermes da Fonseca.

 

Luís Carlos Prestes conseguiu, finalmente, ingressar no Colégio Militar e, após algumas dificuldades dos primeiros anos, formou-se como primeiro de turma. Entraria para a história como um dos líderes das revoltas tenentistas, com destaque para a Coluna Prestes, uma marcha de 1.500 homens por 25 mil km pelo interior do país, entre 1925 e 1927, defendendo o voto secreto e ensino público para toda a população. Pelo movimento, ele ganhou o apelido de Cavaleiro da Esperança. Segundo alguns estudiosos, a Coluna Prestes inspirou a Grande Marcha da China, de Mao Tsé-Tung, em 1934, que, ao fim, resultou na revolução comunista chinesa.

 

 

Prestes com Mao Tsé-Tung

 

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload