© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Desbunde em Bota

22.03.2018

Luiz Carlos Maciel

 

Há uma palavra curiosa em nossa língua: a bunda. E desbunde deriva dela. Oriunda de nossas heranças africanas, a palavra – que refere à região glútea – ganhou residência fixa e status no português do Brasil.

 

Caetano Veloso, com sua conhecida baianice, tentaria definir o termo, em Verdade Tropical:

 

esse nome que a contracultura ganhou entre nós – a bunda tornada ação com o prefixo des- a indicar antes soltura e desgoverno do que ausência – deixava o hip – quadril – dos hippies na condição de metáfora leve demais. Desbundar significava deixar-se levar pela bunda, tomando-se aqui como sinédoque para "corpo" a palavra afro-brasileira que designa essa parte avizinhada das funções excrementícias e do sexo (mas que não se confunde totalmente com aquelas nem com este), sendo uma porção exuberante de carne que, não obstante, guarda apolínea limpeza formal.

 

E, se desbundar era perder o autocontrole, as estribeiras, tirar o disfarce e causar impacto, houve um tempo em que toda uma geração – mesmo confundida com o que havia de loucura, alienação e vagabundagem – acabou optando pelo desbunde total.

 

Poetas desbundavam sem sequer saber o significado do termo, mas por imposição dos fervores da época.

 

No entanto, havia diferença radical entre um poeta marginal  e um marginal poeta, uma vez que o desbunde era também ato político, visto enquanto resistência contracultural. E, a despeito de Dops, DOI-CODI e de Fleury, ser desbundado naquele tempo cheirava a algo próximo à felicidade. 

 

 

Luiz Carlos Maciel, um dos teóricos do desbunde – recentemente morto –, confirma a tese e lembra detalhes do mais importante órgão de divulgação do desbunde à época:

 

(...) fui procurado por um jovem inglês, Mick Killingbeck (...) Estava conseguindo os direitos da revista Rolling Stone, o maior sucesso nos EUA no gênero, para editá-la aqui. Me escolheu (...) e então passei a ser editor da Rolling Stone no Brasil. 

 

E, para fundar a editora,

 

Mick alugou uma casa velha na rua Visconde de Caravelas, em Botafogo, pertinho do primeiro apartamento dos Novos Baianos no Rio e do tradicional restaurante Aurora (...)

 

O gaúcho Caio Fernando Abreu, suspeitando da doença que mais tarde o mataria, revela em carta à mãe onde ficava sua comunidade de desbundados, aqui no Rio:

 

Perdi uns oito quilos em menos de dois meses, isso me preocupa um pouco (...) Há tanto a ser feito e ser vivido, e ser escrito que acho besta perder tempo. A casa onde moro é sensacional, tranquilíssima numa ruazinha em Botafogo, com mais três moças e um rapaz gaúcho boníssimos (...)

 

O bairro de Botafogo era, então, o ideal de consumo de vários adeptos desbundados da contracultura.

 

De fora do antológico 26 Poetas hoje,  era no bairro que a esquecida Ledusha – outra clássica do desbunde – imaginava sua “Felicidade”.

 

nada como namorar

um poeta marginal

incendiado

uma casinha em botafogo

um quarto uma eletrola

uma cartola

                    (...)

eu você joão

girando na vitrola

sem parar.

 

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload