© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

Remoção dos moradores da Favela do Pasmado (Almanaque 1964 / Agência O Globo)

 

No dia 24 de janeiro de 1964, um incêndio, sob a supervisão do Corpo dos Bombeiros, no Morro do Pasmado, em Botafogo, consumiu os mais de 500 domicílios onde viviam quase dois mil moradores. Por decisão de Carlos Lacerda, governador do Estado da Guanabara, eles haviam sido removidos, dias antes, para a Vila Kennedy, um conjunto habitacional localizado nas cercanias de Bangu, construído com financiamento do governo norte-americano.

 

A ação atendia aos objetivos de Lacerda de “higienizar” a Zona Sul, para valorizar a região e favorecer a especulação imobiliária. Tanto isso é verdade que, em agosto de 1963 – quando o Programa de Erradicação de Favelas, da Secretaria de Serviços Sociais, ainda não havia oficializado a remoção da Favela do Pasmado –, o jornal Correio da Manhã já apresentava o arquiteto Sérgio Bernardes como autor do “projeto de urbanização do Morro do Pasmado”. Mais tarde se saberia que o projeto era o da construção do condomínio Casa Alta de Botafogo.

 

O periódico, aliás, comemorou a extinção da favela:

 

“Que em Bangu e redondezas surjam aglomerações decentes. Que venham abaixo, em cinzas, todas as favelas. Nem por isso a saudade é menor. Nem por isso as lágrimas deixarão de correr, numa tentativa infrutífera de apagar a fogueira. Uma fogueira que iluminou a noite de Botafogo no Morro do Pasmado.” (Correio da Manhã, 29/01/1964)

 

Justamente a Favela do Pasmado, uma das mais organizadas. Ela havia sido urbanizada em 1961 pelo Sistema Estadual de Política Habitacional (SEPHA), com ajuda da associação de moradores e com investimentos de órgãos públicos e da própria comunidade, por meio de mutirão.

 

Mas os tempos que se avizinhavam eram outros. Muito em breve, não haveria mais associações de moradores.

 

Como sempre acontece, a realidade da recém-inaugurada Vila Kennedy era bem diferente daquela pintada pelos políticos. Distante 40 km do Centro, o comércio e o transporte eram precários, e não havia trabalho por perto, nem acesso a serviços básicos, como clínicas de saúde. Naquela época, o Estado ainda não indenizava moradores removidos, e muitos não tinham como comprovar renda para financiar suas casas. Além disso, a mudança havia desintegrado a rede social de famílias que criavam os filhos juntas na comunidade do Pasmado. Mas isso já não era mais problema do Estado.

 

O troco

 

No ano seguinte, seria escolhido o sucessor de Carlos Lacerda para o Governo da Guanabara. O candidato da situação, tido como favorito, era Flexa Ribeiro, secretário de Educação e proprietário do Colégio Andrews, em Botafogo. Ele apostava numa boa votação, especialmente no bairro, onde, além da remoção da Favela do Pasmado, haviam sido feitas a canalização do fétido rio Berquó e a expansão da rua Mena Barreto.

 

No dia da votação, os antigos moradores da Favela do Pasmado tiveram que se deslocar até Botafogo para votarem, pois ainda não havia zona eleitoral no novo endereço. Os governistas esperavam votação maciça da Vila Kennedy em seu candidato, afinal, eles agora tinham direito à casa própria de alvenaria. A urna correspondente aos ex-moradores do Pasmado revelou, no entanto, míseros 12 votos para Flexa Ribeiro. E a surra eleitoral se repetiu em várias outras comunidades, como a do Morro do Salgueiro, em que Flexa Ribeiro obteve apenas 10% dos votos.

 

O oposicionista Negrão de Lima foi eleito com 582.026 votos, contra 442.363 votos para Flexa Ribeiro. Adeptos da candidatura de Flexa Ribeiro reclamaram da ingratidão dos eleitores. Os antigos moradores da Favela do Pasmado tinham a resposta pronta: “o povo não come cimento”.

 

Entre 1962 e 1974, cerca de 80 assentamentos urbanos, com 140 mil moradores, foram removidos das áreas mais nobres do Rio. Foi o maior deslocamento populacional da história da cidade, somente possível com a implantação da ditadura militar. Usando de truculência, incendiando favelas, assassinando líderes comunitários ou ameaçando favelados, o Estado atuou não para resolver as questões sociais, mas para esconder a miséria. As remoções não foram solução; ao contrário, agravaram a violência e a situação de risco social dos moradores, que perduram até os dias de hoje.

 

O fogo no morro alastrou / Entrou no barraco e nada deixou / As labaredas cresciam, cresciam / E o inferno de fogo a favela baixou / Que é da casa do João, brasa virou / João não tem mais lugar pra sonhar como sonhou / E lá no Pasmado, triste, abandonado / Nem aquela palmeira o fogo deixou*

 

* Versos da música Favela do Pasmado, de Edith Serra, gravada pelo coral Pequenos cantores da Guanabara, em 1965.

 

   

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload