© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Corte cirúrgico

09.02.2018

 

 

Tudo começou em Botafogo.

 

Ali, o menino vindo de Minas aos 17 anos, ávido pela medicina, faria seu debut. Aprenderia a dar os primeiros cortes cirúrgicos. Mas também aprenderia a cometer seus pioneiros delitos. Dali para frente, uma mescla de bisturis, carros de luxo, tráfico, pistolas e cocaína fariam parte do coquetel molotov em que se tornaria a vida do então jovem cirurgião.

 

Era o momento áureo da cirurgia plástica, no Brasil e no mundo, e o mais brilhante aluno e ex-assistente do Dr. Pitanguy, naqueles idos dos anos de 1970, fazia sucesso junto ao jet-set carioca, principalmente as mulheres. Boa pinta – e mineiro – que era.

 

Depois da glória com o bisturi na mão, no trabalho de recauchutar as mais altas estrelas, nacionais e internacionais, no comando da clínica na rua Dona Mariana, Osmane Ramos – mais conhecido como Hosmany Ramos – transformar-se-ia no bandido-cirurgião da mais alta periculosidade que o país já conhecera.

 

Consta que, certa feita, em festa na mansão de conceituada família paulistana, roubara o Cartier de Pelé – dentre outras larápias proezas.

 

E sequestrou aviões, e traficou cocaína, e cometeu homicídios, e casou com socialite. Pegou cana dura logo aos trinta e poucos anos de idade. Mas, no cárcere – qual Dostoiévski, Cervantes ou Graciliano Ramos –, passara a escrever romances e contos cobiçados pelo mercado editorial.

 

Com estilo noir, policial – ou barra pesada mesmo –, Hosmany descreve cenas contundentes do submundo do crime, como em Delitos obsessivos, onde esbarramos na estória de um promotor de justiça que sai às noites para matar pessoas, aleatoriamente. Boa reflexão, nesses tempos de criminosos judiciários.

 

 

Ou em Marginália, publicado pela imponente editora Gallimard, na França, em que playboys, cujo principal lazer é matar favelados, circulam a cidade a bordo de potente Kawasaki; ou ainda o Pavilhão 9: paixão e morte no Carandiru, cujo título por si dispensa maiores apresentações; ou Sequestro sangrento, com seu séquito de políticos corruptos, policiais desonestos e executivos inescrupulosos. Atemporal, portanto, a prosa de Hosmany.

 

Por fim, lembremos: tudo começou em Botafogo – da clínica ao crime. Ali, o futuro cirurgião-bandido-escritor sequestrador de aviões começaria modestamente “puxando” motos para o rolé adolescente. E assim o confessa, em O Cleptomaníaco – já zarpando na garupa do amigo delinquente "Ligeirinho":

 

Vivíamos em Botafogo, na Rua das Palmeiras, esquina da Voluntários da Pátria. Seguimos até a praia. Atravessamos o túnel e, em menos de cinco minutos, estávamos na Avenida Atlântica sentindo o cheiro da maresia. 

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload