© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Os limites de Botafogo

Google Map
 

 

A Escola de Comunicação da UFRJ (ECO) fica em Botafogo ou na Urca? E a rua Marquês de Abrantes? Fica no Flamengo? E quanto à rua Visconde de Caravelas? Fica mesmo no Humaitá?

 

“Depende” é a resposta para as três perguntas.

 

Para tirar essas e outras dúvidas sobre Botafogo e os bairros com os quais faz limite*, pedi ajuda a Regina Chiaradia, presidente da Associação de Moradores e Amigos de Botafogo (AMAB). Ela mesma mora na Clarice Índio do Brasil, rua limítrofe entre Botafogo e Flamengo. Regina me emprestou o volume sobre o bairro de Botafogo da coleção Cadernos de Legislação Bairro a Bairro, publicado em 2004 pela Secretaria Municipal de Urbanismo. Lá constam o Decreto Municipal nº 5280, de 1985, que atualizou as delimitações dos bairros do Rio de Janeiro, e também o mapa do bairro de Botafogo.

 

Comecemos pela UFRJ, onde eu e Carla Paes Leme, editores do Curta Botafogo, cursamos Jornalismo. Diz o Google que a antiga Universidade do Brasil fica na avenida Pasteur 250 – Praia Vermelha. Para começar, Praia Vermelha não é bairro. Como o próprio nome diz, é uma praia – muito linda, por sinal – da Urca, bairro que tem menos de 100 anos e foi criado após os muitos aterros feitos durante o período de reformas do prefeito Pereira Passos. Mas a UFRJ também não fica na Urca e, sim, em Botafogo. E não importa se entra na universidade pela avenida Venceslau Brás ou pela avenida Pasteur, você estará sempre em Botafogo. Somente a partir da rua Dr. Xavier Sigaud, é que a Pasteur passa a fazer parte da Urca.

 

Descendo pela avenida Repórter Nestor Moreira – que passa a se chamar avenida das Nações Unidas a partir da altura da rua São Clemente –, vemos a Enseada de Botafogo – uma das vistas mais belas do mundo – a partir da Praia de Botafogo, que, conforme o nome diz, pertence a Botafogo. O fim da praia, na altura da Praça Nicarágua e da Travessa Acaraí, marca o limite com o bairro do Flamengo. Há, ainda, outro limite com o Flamengo, na rua Marquês de Abrantes, que, até a já mencionada rua Clarice Índio do Brasil, faz parte de Botafogo.

 

Ali perto, ficam as ruas Fernando Ferrari e Farani, ambas em Botafogo, que desembocam na rua Pinheiro Machado, no bairro de Laranjeiras. A rua Marechal Bento Manuel à direita e a Universidade Santa Úrsula, à esquerda, marcam os limites de Botafogo com o bairro onde fica o Palácio Guanabra, sede do Governo do Estado.

 

Morros

 

Partindo da Praia de Botafogo em direção à Lagoa Rodrigo de Freitas, os limites são naturais, marcados pelos morros ao redor. À direita, fica o Morro Dona Marta, até a Estrada Mirante Dona Marta; à esquerda, o Morro da Babilônia, perto do shopping Rio Sul; o Morro de São João, margeando os fundos do cemitério São João Batista; e o Morro da Saudade.

 

Por fim, chegamos ao limite entre Botafogo e Humaitá. Fazem parte de Botafogo: toda a rua São Clemente; toda a rua Conde de Irajá; as ruas Voluntários da Pátria e Visconde de Caravelas até antes da rua Capitão Salomão; e as ruas Pinheiro Guimarães e Visconde Silva, um pouco depois do ponto em que elas se encontram, na altura do Restaurante À Mineira.

 

Uma curiosidade: o bairro do Humaitá fazia parte de Botafogo até ser criado em 1981, talvez como estratégia para diferenciar a região do bairro mais misturado, que, ainda por cima, tem pecha de “bairro de passagem”. Se a intenção foi essa, eu teria escolhido outro nome. Afinal, Humaitá era o nome do forte paraguaio que protegia o leito do rio Paraguai contra o avanço das tropas da Tríplice Aliança, durante a Guerra do Paraguai. Foi somente após a ultrapassagem do Humaitá que Solano Lopes começou a perder a guerra. Mais “de passagem”, impossível.

 

* “Da enseada de Botafogo, no fim da praia, nos limites do terreno do Iate Clube do Rio de Janeiro (excluído); seguindo pela Avenida Repórter Nestor Moreira (incluída); Praça Praia Nova (incluída); Avenida Pasteur (incluída, excluindo o Iate Clube) até a Avenida Venceslau Braz; seguindo por esta (incluída, excluindo a Praça Ozanan e a Praça Juliano Moreira), atravessando a Avenida Lauro Sodré, até a Avenida Carlos Peixoto; por esta (excluída) até a Ladeira do Leme; por esta (excluída) até o seu ponto mais alto (cota 67m); daí, subindo a vertente do Morro de São João, ao seu ponto culminante (cota 241m), e pela cumeada, em direção oeste, passando pelos pontos de cota 182m e 189m, descendo o espigão até o ponto de cota 66m, no entroncamento da Ladeira dos Tabajaras com a Rua Euclides da Rocha; deste ponto, subindo o espigão do Morro da Saudade, até o seu ponto mais alto (cota 246m); daí, descendo em direção norte pela vertente, ao final da Rua Macedo Sobrinho; por esta (excluída) até a Rua Visconde de Silva; por esta (excluída) até a Rua Capitão Salomão; por esta (excluída) até a Rua Voluntários da Pátria; por esta (incluída) até a Rua Conde de Irajá; por esta (incluída), atravessando a Rua São Clemente (incluída) em direção à Rua Alfredo Chaves (excluída); do final desta, subindo o espigão em direção ao entroncamento da Estrada das Paineiras (excluída) com a Estrada Mirante Dona Marta (N.R.); por esta (excluída) até o ponto culminante do Morro Dona Marta (cota 362m); daí, descendo o espigão na direção leste, passando pelos pontos de cota 173m e 188m, até o final da Rua F do PA 8541; por esta (excluída); Rua Cardoso Júnior (excluída) até a Rua Projetada; por esta (incluída); Rua Juçanã (incluída) até o seu final; daí, descendo o espigão do Morro Mundo Novo, atravessando a Rua Pinheiro Machado e subindo o espigão em direção à cota 67m no Morro Azul; daí, descendo o espigão em direção ao entroncamento das ruas Jornalista Orlando Dantas (incluída) e Clarisse Índio do Brasil; seguindo por esta (incluída) até a Rua Marquês de Abrantes; por esta (incluída) até a Praia de Botafogo; por esta (incluída), Praça Oswaldo Cruz (incluída); Praça Nicarágua (incluída), até a Enseada de Botafogo e, pela orla, até o ponto de partida.” (fonte: Diário Oficial da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro de 26/8/1985)

 

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

 

Outras histórias
 

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload