© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Ilustre desconhecido

21.12.2017

Marques Rebelo em Moscou para um congresso de escritores, em 1954

 

A literatura brasileira, assim como todo grande sistema literário que se preze, elege os que considera seus melhores escritores, aqueles que ganham espaço, e cujos nomes têm permanência no tempo. Alguns, inclusive imortalizados pela Academia Brasileira de Letras, mesmo possuindo produção literária obscura, sequer de nome são conhecidos. Em contrapartida, há aqueles que o tempo – com o auxílio perverso e luxuoso das forças ocultas do mercado – sufoca e esquece. A isto, em arte, chamamos cânone.

 

Em outras palavras: o mesmo sistema impõe, põe e depõe, canonizando uns poucos enquanto subestima outros tantos.

 

Marques Rebelo encaixa-se neste último caso. Embora amigo de Jorge Amado, elogiado por Drummond, ganhador de importantes prêmios literários e com vasta obra mais de uma vez vertida para o cinema nacional e internacional, o carioca Rebelo é, dentro do sistema literário brasileiro, um fantasma.

 

Nascido no bairro de Vila Isabel e autor do clássico A estrela sobe, o escritor obtivera algum

 

reconhecimento literário em vida. E, ainda adolescente, matriculado no Andrews, veio a residir na Praia de Botafogo, 48.

 

O apartamento do Edifício Duque de Caxias era curiosamente denominado “chocadeira acadêmica”, posto que por ali passaram escritores ilustres que o tempo – ou o cânone – faria desconhecidos. Chegando ao Rio, Herberto Salles viera morar junto; outros fantasmas como R. Magalhães Jr e Álvaro Lins conviveram também durante um tempo no mesmo apartamento de Botafogo.

 

Como se não bastasse, na vizinhança circulava ainda Aurélio Buarque de Holanda, que à época já dispensava apresentações. O esquecido Edifício Duque de Caxias, portanto – repleto de futuros descanonizados, à exceção de Aurélio –, viveria outrora momentos de informal Academia de Letras.

 

Rebelo, cujo verdadeiro nome era Eddy Dias da Cruz, achava o nome próprio para puxador de escola de samba. Por isso, inventara o pseudônimo, aquele com que ficaria – para sempre? – ilustremente desconhecido.

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload