© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

A pena de Alencar

14.12.2017

Botafogo da Belle Époque / Foto: Augusto Malta (1906)

 

O Rio é metrópole repleta de contrastes e, por sua própria natureza, serve de prato cheio ao cronista – o que aliás é comum a toda grande cidade. Por aqui passaram os melhores do país e do mundo, que aqui viveram, fizeram laboratório e daqui retiraram – todos – o grosso de sua grande obra.

 

Vindo do Ceará, e mais conhecido como autor de romances – Senhora ou Lucíola, p. ex. –, José de Alencar também figura como um dos grandes cronistas da cidade do Rio de janeiro, embora desconhecido.

 

Em conjunto de crônicas intitulado Ao correr da pena, Alencar discorreria sobre a cidade, dando ênfase ao bairro que então despontava no imaginário de consumo da elite do tempo. A partir desta perspectiva, numa tardinha qualquer, era assim que o cronista via as possibilidades para o ócio da noite: 

 

“No horizonte poético da bela sociedade já se lobriga um baile do cassino, uma regata em Botafogo, e algumas partidas familiares e encantadoras" (...).

 

Ah, quanta distância existe entre aqueles tempos e o nosso, em que, na visão de Alencar, sem maiores temores, “podíamos passear aos belos arrabaldes da cidade, a Botafogo, às Laranjeiras, ao Engenho Velho ou ao Andaraí (...)”, sem balas oficialmente perdidas e milícias fortemente armadas; tempos em que havia “na praia de Botafogo um magnífico boulevard como talvez não haja um em Paris, pelo que toca à natureza” e o bairro, naquele então, sobressaía e servia rutilantemente para “o rendez-vous da sociedade elegante da corte”.

 

 

Parecia, inclusive, que a cidade era vocacionada para glamourizar-se também nos seus arredores, conforme relata o cronista: “Domingo passado o caminho de São Cristóvão rivalizava com os aristocráticos passeios da Glória, do Botafogo e São Clemente, no luxo e na concorrência, na animação e até na poeira”, ao referir-se à inauguração de suntuoso Jockey Club no bairro de São Cristóvão. Ou até mesmo uma expansão metropolitana maior, rumo à Serra, vista pelo cronista Alencar como grande alternativa balneária à saturação da Orla: 

 

“De maneira que daqui a uns dez ou vinte anos, se as coisas continuarem, em vez de passar um domingo em Andaraí, Botafogo ou Jardim Botânico, iremos a Petrópolis, a Teresina, ou à Cidade dos Órgãos (...)”.

 

Contudo, num tempo em que para se estar antenado aos fatos, à moda e a tudo o que fosse moderno já não bastava o trottoir pelas ruas do Centro, o mito da Zona Sul começava a tomar corpo, e Botafogo é quem primeiro despontava como símbolo e estereótipo de um Rio que passou:

 

“Fostes sexta-feira à noite a Botafogo? Vistes como estava brilhante a linda praia, com a sua bela iluminação, com suas alegres serenatas, e com os bandos de moças que passeiam (...)?”.

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload