© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Animal poético

19.10.2017

 

Décadas antes da famigerada geração Coca-Cola, existiu a geração mimeógrafo. E pode-se afirmar – com todo o aval do tempo – que uma vislumbrava o mundo de forma diametralmente oposta à outra. Sim, pois enquanto a segunda se fundou no rastro das contestações dos anos 1960-1970 (liberdade, flower power, paz e amor, hippismo, guerrilha), a primeira ficaria marcada, em linhas gerais, pela alienação que caracterizou os anos 1980-1990 – e jamais soubera sequer reconhecer um mimeógrafo.

 

Foi no impacto daquele tempo utópico que jovens praticavam poesia aos montes pela cidade. Ali pelos anos 1970, para além da praia, para além do píer de Ipanema, muito além da oficialidade editorial – e paralelamente aos movimentos políticos e à luta armada –, literalmente se vociferavam versos pelas ruas. Versos rabiscados e mimeografados.

 

Tão contundente foi essa produção literária – em quantidade e qualidade – que muitos daqueles poetas ambulantes chamaram a atenção da também jovem ensaísta Heloísa Buarque de Hollanda. E foram, alguns, parar em antológica coletânea, denominada 26 poetas hoje.

 

Rolava então o ano de 1976.

 

Já na apresentação Heloísa advertia:

 

Curiosamente, hoje, o artigo do dia é poesia. Nos bares da moda, nas portas de teatro, nos lançamentos, livrinhos circulam e se esgotam com rapidez. Alguns são mimeografados, outros, em offset (...) Trata-se de um movimento literário ou de mais uma moda? 

 

Desta geração, apelidada “poesia marginal”, emergiram nomes que hoje ocupam cadeira na Academia Brasileira de Letras, como Antonio Carlos Secchin e Geraldinho Carneiro; outros que não vestiram o fardão, mas alcançaram certo reconhecimento lítero-musical, como Ana Cristina César, Cacaso, Bernardo Vilhena, Capinam, Torquato e Waly; e outros para os quais o mimeógrafo – e o apelido – ainda são estigma.

 

É o caso de Chacal. Voz quase esquecida – e que nos 1970 vociferou um dos textos mais enigmáticos do tempo, Quampérios –, o “animal poético” habita hoje os tênues limites entre Botafogo e Humaitá.

 

Fundador do Centro Cultural CEP 20.000, Chacal mimeografaria um dia numa de suas trips pela cidade:

 

o lotação passa batido

pela haddock lobo pelo estácio

desfila veloz pela riachuelo

pelo passeio passa apressado

glória flamengo botafogo humaitá:

é dia de CEP

 

E jamais deixaria de registrar, em seu trânsito rumo ao CEP, o bairro de Botafogo e suas transições ao longo das décadas, como no poema "Pello menos"

 

nova unidade em depilação

cabines individuais

cera exclusiva

voluntários da pátria, 470

botafogo

 

ou nesse fragmento do épico personagem Quampérios:

 

(...) fumando guimba de charuto, com um gibão amarrado no pescoço, cantando uma sinfonia inacabada. Entrou nas sendas de botafogo pra saciar sua fome semestral (...)

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload