© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Corno manso

29.09.2017

Dilermando, Ana de Assis e Euclides da Cunha

 

A Guerra de Canudos foi, certamente, um dos mais bizarros episódios da história deste país tão recente. E, para registrar tamanho genocídio republicano, Euclides da Cunha deslocar-se-ia de mala e cuia para o sertão baiano.

 

Independente de sua patente militar, o escritor estivera ali, travestido de jornalista, a fim de registrar, com toda a fidelidade possível, as cenas de violência promovidas pelo Exército Brasileiro contra a aldeia repleta de flagelados fracamente armados.

 

O episódio, contado à exaustão como prodigioso pela história republicana oficial, deixara marcas indeléveis a revelarem um poder bélico estúpido despejado contra velhos, crianças, mulheres e outros vulneráveis de toda espécie. Tanto que, século depois, em A Guerra do fim do mundo, o grande escritor peruano Mario Vargas Llosa retomaria dramática e criticamente o tema.

 

Ocorre é que, durante o tempo em que Euclides dedicava-se a contar a trágica história dos desafortunados “seguidores” de Antônio Conselheiro, sua mulher, aqui no Rio de Janeiro, contraía amores adúlteros com um jovem oficial adolescente.

 

Era o ano de 1909.

 

Euclides da Cunha, já famigerado pela publicação do clássico Os Sertões, passara a tolerar as fugidas de sua Ana de Assis, até que vieram a gravidez, as brigas e a morte prematura do filho bastardo.

 

Numa bela manhã de agosto daquele ano, Euclides vestiu-se de preto e, fumando um Yolanda após o outro, decidira partir de Copacabana em direção ao bairro da Piedade, onde residia seu desafeto e amante de sua mulher – o cadete Dilermando –, de apenas 20 anos, para matá-lo.

 

Na Central do Brasil, subiu no primeiro comboio. Passou por São Cristóvão, Riachuelo, Sampaio e Méier. Saltou na Estrada Real de Santa Cruz – hoje avenida Dom Hélder Câmara, mas que atende ainda por Suburbana – disposto a “matar ou morrer”, conforme o próprio, babando de ódio, esbravejava.

 

Antes de chegar à Central do Brasil, porém, o escritor havia passado por Botafogo, em casa de parentes, onde se apoderara de um Smith & Wesson, calibre 22.

 

De nada valeram revólver, volúpia, calibre.

 

Quidinho – como era chamado pelos mais íntimos – acabaria morto em duelo na Piedade, com quatro tiros no peito.

 

 A população miserável de Canudos cercada pelas tropas do Exército.

 

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload