© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Último baile

15.09.2017

 

Ali pelo início do século passado, era comum escritores ao alcance de alguma inspiração – e muita notoriedade – buscarem cidades repletas de névoas e tradições artístico-literárias para viverem e gestarem suas cenas primas, seus projetos de futuro: ora era Paris, ora Londres; ora Lisboa, ora Rio.

 

Considerando-se que, pela natureza ímpar de poetas e artistas em geral, os países e cidades são escolhas não apenas de vida, mas também de morte, a Cidade Maravilhosa serviria de inspiração para grandes nomes das letras – locais e universais.

 

Lembremos, então, que Stefan Zweig, ilustre personalidade literária europeia de sua época, escolhera o Rio de Janeiro para viver algumas das mais impactantes de suas experiências humanas – e poéticas.

 

O autor de Brasil: um país do futuro assim descreve sua triunfal entrada de navio na cidade,

 

lá pelos idos de 1936:

 

De manhã cedo, já todos os passageiros esperam com impaciência e curiosidade, a bordo, munidos de binóculos e câmaras; ninguém quer perder a ocasião de ver a entrada famosa do Rio de Janeiro, mesmo aqueles que já a conhecem de muitas viagens.

 

Tão animado vinha – e embebido em sua descrição do que via de tropical na cidade – que nada indicava o futuro e trágico episódio lá na serra de Petrópolis, pouquíssimos anos depois:

 

(...) uma exalação pesada vem voando imperceptivelmente, conglomerada, nas profundidades dos bosques imensas, do hálito das plantas e da umidade dos cálices, aquela exalação das regiões tropicais, indescritível, quente, mormacenta, como o vinho em fermentação, que de maneira ensurdecedora, nos torna ébrios e cansados ao mesmo tempo.

 

Diferentemente do antropólogo francês Claude Lévi-Strauss – que comparara a entrada da baía a uma “boca banguela” –, o austríaco Zweig, antes mesmo de vislumbrar aquela que considerou a mais bela enseada do mundo, apostaria toda a esperança nas cores e coisas vistas aqui:

 

(...) uma série de montanhas que com braços estendidos protege uma das maiores baías do mundo, a bela baía de Guanabara. Todos os navios de todas as nações caberiam aí ao mesmo tempo, tão vasta e grandiosa ela é, abaulando-se com suas múltiplas enseadas e promontórios.

 

E, no espaço de tempo entre seu encantamento com a metrópole e o seu voluntário desaparecimento na serra de Petrópolis, o grande escritor Stefan Zweig ainda destilaria comentários – tanto poéticos quanto críticos – sobre a história pregressa que engendrou no coletivo imaginário a cidade e a serra, no leito de morte de Zweig:

 

Ainda é preciso passar o Pão de Açúcar, que impede a vista; somente então é que se vê a cidade maciça e branca, olhando para o mar e deslizando nas alturas verdes. Veem-se os jardins públicos das praias, recentemente feitos, e o campo de aviação, que há pouco tempo foi ganho do mar. Já vamos atracar e a impaciência será satisfeita. Mas não! Era novamente um erro. Desta vez é a enseada de Botafogo (...)

 

Seu último baile:

 

(...) ainda é necessário passar a ilha da marinha e aquela outra pequena com o palácio gótico, onde o imperador D. Pedro, dois dias antes de sua deposição deu, sem nenhum pressentimento, o último baile.

 

Zweig e a esposa Lotte (direita) durante evento no Clube Botafogo

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload