© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Política do cocô

06.09.2017

  

 

 

Diz-se que a proximidade de um casal fica evidente quando escatologias deixam de ser escatológicas.

"Dê dinheiro, mas não dê intimidade".

O corriqueiro adágio dá tom à casa dos De Caroli.

Na família, residente do famoso Espaço São Clemente, na rua homônima, é Sueli quem dá corpo à coprologia.

 

Certo dia, chegou com Pablo do cinema.

Assistiram à Na Mira do Atirador no Estação Net Rio, na Voluntários.

Foram à tarde, luxo permitido pelas férias do casal. 

A tensão do filme agravou o deficiente sistema intestinal da Sueli, de modo que, da porta de casa, a pobre imprimiu rota de fuga até o vaso, na surdina, como quem carrega uma mala com R$ 500 mil pelas ruas de São Paulo.

Tudo, claro, na plena legalidade de sua política do cocô.

Vale tudo para evitar que a calcinha receba beijos amarronzados de uma boca sem lábios.

 

– Pablo, liga essa TV aí! – gritou a mulher no caminho.

– Pra quê? Tu não vai cagar? Vou beber água, tô cheio de sede...

– Mas liga a TV logo, porque não quero que você ouça o barulho! Pablo, liga logo! – a voz vinha abafada e esbaforida, posto que Sueli já fechara a porta do lavabo e, agora, destroçava os botões da calça que insistiam em privá-la de um dos maiores alívios da Humanidade.

– Eita! Vai ser ruim assim? – Pablo parou com o copo d'água a caminho da boca, com semblante amedrontado. O Armagedom parecia real e próximo.

– Vai, porra! Entupi aquela merda daquela pipoca de manteiga! E aquele filme... Pablo, liga essa TV! – desesperou-se.

 

Pablo sentiu o peso nas palavras da mulher e acelerou para alcançar o controle remoto.

Chegasse quatro segundos antes, não ouviria Sueli quase desfalecer em dinamites de bosta vaso adentro.

Fingiu que não escutou nada e ligou a TV no volume mais alto, o canal pouco importava.

 

– Jesus... Pablo! Pablo, tá me ouvindo!

– Oi, amor – respondeu, diminuindo a gritaria da televisão.

– Deixa a TV no último, como estava antes! Estava ótimo!

– Tá bom! – gritou o homem do quarto.

– Tem que manter isso aí, viu? Pelo amor de Deus!

 

Amém à política.

Do cocô, claro.

 

* Marcos Luca Valentim é jornalista, cronista e poeta

 

Outros surtos

 

Tolerância zero

Anselmo, o Imortal
Não esqueçam Gonzaguinha

Me deixa

Botafogo de todos os santos

Aqui não é Candy Crush

Um sonho sem controle

Derrotado

Licença poética

Mimimi

Instinto coletivo

Anderson Silva

Casca-grossa

Bilíngue

Já dizia vovó...

Batalha naval

Vida de cão

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload