© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Clarão de Clarice

24.08.2017

 

 

 

 

O poeta maranhense Ferreira Gullar morrera há pouco, já no topo de seus 86 anos.  Chegara ao Rio nos anos de 1950. Cara de índio macerada pelo tempo, Gullar foi aquele que ousou, um dia, romper com a estética pós-modernista do Concretismo paulistano – de dissolução da linguagem, da poesia-imagem, da arte visual, da economia de palavra, da linguagem em movimento –, abrindo espaço para linguagem e conceitos próprios, que a crítica mais tarde denominaria neoconcretismo.

 

Parafraseando o príncipe dos poetas – Paulo Bonfim –, é fácil ser poeta na juventude,

sobretudo aos sobressaltos do primeiro amor; difícil é poetar nos desvãos grisalhos da vida, na decrepitude de tudo – e da própria matéria.

O poeta que no Rio fez seus melhores amigos, aquele que um dia cantara ‘uma parte de mim é todo mundo’, viveu para sentir – e registrar – o desprazer de ver morrer grandes parceiros de existência e poesia, de Oswald de Andrade a Drummond.

 

Assim, numa tarde cinzenta de 1977, o autor dos clássicos Traduzir-se e Poema sujo registraria em versos um dos últimos mistérios de Clarice:

 

Enquanto te enterravam no cemitério judeu

De São Francisco Xavier

(e o clarão de teu olhar soterrado

resistindo ainda)

 

Que forte a imagem que vira Gullar no último olhar de Clarice! O vislumbre do quão vaga é a vida. Tão passageiras as coisas – e os homens:

 

E as pedras e as nuvens e as aves

no vento

mostravam alegremente

que não dependem de nós

 

Enquanto enterrava aquela que sempre estivera por Perto do coração selvagem, o poeta de Dentro da noite veloz via a morte vivendo.

Mas também a vida inteira, refletida de passagem, num átimo de pensamento, desde a morada eterna de Clarice – o Caju –  à sua própria morada:

 

(...) e o táxi corria comigo à borda da Lagoa

na direção de Botafogo.

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload