© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Farofa mecânica

11.08.2017

 

 

 

 

De acordo com a crítica especializada, a brutalidade é característica singular da prosa de Rubem Fonseca.

 

Sempre haverá um bando de putas, homicídios, necrofilias, estelionatos e delinquências de toda ordem em sua ficção.

 

Todo esse lado brutal e policialesco que brota dessa prosa se deve efetivamente ao fato de ter sido ele mesmo – o próprio José Rubem Fonseca – Comissário de Polícia, no Rio de janeiro, durante a longa noite de chumbo.

 

Por suas temáticas – e por sua linguagem –, os cinco contos de Feliz Ano Novo, best-seller que marcaria toda a escrita do autor, seriam sumariamente proibidos no ano de 1975, quando de seu lançamento.

 

Quatro anos depois da Laranja Mecânica, de Stanley Kubrick, o nosso Zé Rubem exporia também a cara da nossa estúpida urbanidade:

 

"Pereba, vou ter que esperar o dia raiar e apanhar cachaça, galinha morta e farofa (...)"

 

No conto que dá título ao livro, são caras como Zequinha, Pereba, Lambreta e Tripé que vão protagonizar a gangue de delinquentes fortemente armados, que invade mansões da Zona Sul carioca numa noite de réveillon.

 

"Filhas da puta. As bebidas, as comidas, as joias, o dinheiro, tudo aquilo para eles era migalha. Tinham muito mais no banco."

 

Depois de descerem o morro, fazerem "ligação direta" e rumarem do Santa Marta para as mansões do Leblon,

 

"Não vais comer uma bacana dessa? Perguntou Pereba."

 

os meninos se divertem matando, estuprando e roubando:

 

"(...) o anel não saía. Fiquei puto e dei uma dentada, arrancando o dedo dela."

 

E o aconchegante bairro de Botafogo, além de casa da gangue – o morro - ainda entra com a ruazinha deserta para a desova perfeita:

 

"Saímos. Entramos no Opala e voltamos pra casa. Disse para o Pereba, larga o rodante numa rua deserta de Botafogo (...) e volta."

 

 

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

 

Artigos anteriores

 

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload