© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Meu nome é trabalho

09.08.2017

 

Comércio de pau-brasil por brasileiros

 

 

Hoje resolvi dar um tempo nas correções para falar de curiosidades do nosso idioma. A inspiração veio do livro “A origem curiosa das palavras”, do jornalista Márcio Bueno.

 

Na língua portuguesa, os gentílicos – ou seja, os nomes que indicam país, estado ou cidade com relação ao local onde alguém nasceu ou habita – têm como sufixos: -ano, -ão, -ense, -ês, -esa, -eu, -ino.

 

Exemplos: italiano, alemão, parisiense, português, escocesa, europeu, florentino.

 

Em relação aos países, o único gentílico que usa o sufixo -eiro é “brasileiro”. Já em relação aos estados, o único é “mineiro”.

 

E por que isso? Na nossa língua, o sufixo -eiro denota ofício, profissão, assim como os sufixos -ário, -dor, -sor, -tor, e -nte.

 

Exemplos: pedreiro, bibliotecário, vendedor, professor, inspetor, escrevente, ajudante.

 

Está aí, justamente, a origem dos gentílicos “mineiro” e “brasileiro”, para quem nasceu em Minas Gerais e no Brasil. “Mineiro” tem origem justamente no profissional que trabalhava nas minas. E a palavra “brasileiro” surgiu não como um adjetivo pátrio, mas para designar quem extraía o pau-brasil, e, por extensão, quem atuava na sua comercialização – assim como “seringueiro” e “negreiro”. Ou seja, o gentílico "brasileiro" tem tudo a ver com trabalho.

 

Mas, segundo o lexicógrafo e filólogo Francisco Silveira Bueno, o adjetivo tinha originariamente cunho pejorativo, porque esses profissionais haviam sido criminosos banidos de Portugal. Logo, ninguém queria ser chamado de “brasileiro”. Antes da independência, nem D. Pedro gostava de ser chamado assim, como se constata no comentário feito por ele e relatado pelo padre Belchior Pinheiro (apud Castellani): “As cortes me perseguem, chamam-me, com desprezo, de rapazinho e de brasileiro”.

 

Ou seja, nosso complexo de vira-lata vem de longe... 

 

* Carla Paes Leme é jornalista, revisora e dá aulas particulares de gramática desde a juventude. Atualmente, cumpre, diariamente, a missão dada, do Além, por Machado de Assis: preservar o Português, que, ao menos em Botafogo, há de ser imortal.

 

Artigos anteriores

 

Missão dada é missão cumprida

Mas eu quero é mais

Salvem o Português! Devolvam suas preposições!

Venha para aula você também, venha!

Para não confundir a fruta com a cor

Conjunção perifrástica não é palavrão

"Mim" não faz nada; quem faz sou "eu"

A partir de agora você não errará mais

Usar mal o acento agudo é grave?

Estrangeirice à portuguesa

Bom é não confundir mau com mal

Andanças: onde ou aonde?

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload