© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Bom é não confundir mau com mal

27.07.2017

 

Vamos falar sobre o mau uso do “mal”. Ou constatar que o mal é ser mau com a língua portuguesa. É que muita gente confunde "mal” com “mau”.  

 

“Mal” é um substantivo ou um advérbio, antônimo de bem.

 

Exemplos: O mal não pode vencer o bem.

Já “mau” é um adjetivo, o contrário de bom.

 

Exemplo: O lobo mau comeu a vovozinha.

Simples, não? Então por que a confusão?

 

A verdade é que o mal mesmo é não ter dúvidas. Se você duvida, se você questiona, procurará respostas e, com certeza, vai encontrá-las. Enquanto você ainda se atrapalha, vale parar e pensar um pouco. Se você puder substituir a palavra por “bem”, é porque a palavra certa é “mal”. Se puder trocar para “bom”; então, o certo é “mau”.

 

Exemplos:

Esse cara é bom! / Esse cara é mau!

Ele escreve bem. / Ele escreve mal.

 

Só mais uma coisa:

- o plural de mau é maus

- o plural de mal é males

- em tempo: mal, enquanto advérbio, não tem plural, claro!

 

* Carla Paes Leme é jornalista, revisora e dá aulas particulares de gramática desde a juventude. Atualmente, cumpre, diariamente, a missão dada, do Além, por Machado de Assis: preservar o Português, que, ao menos em Botafogo, há de ser imortal.

 

Artigos anteriores

 

Missão dada é missão cumprida

Mas eu quero é mais

Salvem o Português! Devolvam suas preposições!

Venha para aula você também, venha!

Para não confundir a fruta com a cor

Conjunção perifrástica não é palavrão

"Mim" não faz nada; quem faz sou "eu"

A partir de agora você não errará mais

Usar mal o acento agudo é grave?

Estrangeirice à portuguesa

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload