© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

Usar mal o acento agudo é grave?

12.07.2017

 

 

Chata como sou, qualquer erro cometido contra nosso idioma é grave, mas as mudanças na acentuação das palavras da língua portuguesa feitas no acordo ortográfico de 1990 atenuam a gravidade de erros, que passam até a ser compreensíveis. E, quanto ao acento agudo, houve várias alterações.

 

A gente agora não pode acentuar “apoio” quando ele é o verbo apoiar conjugado no presente do indicativo, na primeira pessoa do singular. E aí, o verbo “apoio” fica igualzinho ao substantivo “apoio” – escritos da mesma maneira, mas com pronúncias diferentes. Ou seja, são homógrafos heterofônicos, “iguais na escrita e diferentes no timbre ou na intensidade das vogais”, como explica o mestre Domingos Paschoal Cegalla em sua “Novíssima Gramática da Língua Portuguesa”. Assim como apoio (verbo) e apoio (substantivo), temos rego, colher, jogo...

 

Pois é, essa foi uma grande mudança nas regras de acentuação. E muita gente não gostou! O acento agudo desapareceu dos ditongos (encontros de duas vogais proferidas em uma só sílaba) abertos ei e oi das palavras paroxítonas (aquelas cuja sílaba tônica é a penúltima). Exemplos: ideia, geleia, boia, jiboia, plateia, heroico, assembleia, joia.

 

Mas, atenção! Essa regra é válida apenas para palavras paroxítonas. Portanto, as palavras oxítonas (aquelas cuja tonicidade está na última sílaba) terminadas em éis, éu, éus, ói, óis continuam acentuadas. Exemplos: papéis, herói(s), troféu, troféus, chapéu, chapéus, anéis, dói, céu, ilhéu.

 

Se você entendeu essa nova regra, merece um troféu! Mas, se ainda ficou com dúvida, podemos trocar uma ideia. Mande a sua dúvida para curtabotafogo@gmail.com.

 

* Carla Paes Leme é jornalista, revisora e dá aulas particulares de gramática desde a juventude. Atualmente, cumpre, diariamente, a missão dada, do Além, por Machado de Assis: preservar o Português, que, ao menos em Botafogo, há de ser imortal.

 

Artigos anteriores

 

Missão dada é missão cumprida

Mas eu quero é mais

Salvem o Português! Devolvam suas preposições!

Venha para aula você também, venha!

Para não confundir a fruta com a cor

Conjunção perifrástica não é palavrão

"Mim" não faz nada; quem faz sou "eu"

A partir de agora você não errará mais

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload