© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Facebook Social Icon

POSTS RECENTES: 

22.10.2019

Please reload

INGLÊS SOB MEDIDA

AULAS PARTICULARES

"Mim" não faz nada; quem faz sou "eu"

28.06.2017

 

Trabalhei muitos anos da minha vida em rádio e sempre fui de prestar atenção às letras das músicas. Algumas feriam meus ouvidos. Uma delas era um sucesso do grupo Soweto, do qual Belo era vocalista.

 

A música de Altay Veloso "Antes de dizer adeus", lançada no CD “Refém do coração”, de 1997, traz um grave erro gramatical. Um trecho da letra diz assim: “... Desejo pra você paz e saúde / Que o bom Deus lhe ajude / Pra você cuidar dos seus, pra mim cuidar dos meus...”.

 

Ai, Jesus! Doía – a ainda dói – ouvir “pra mim cuidar dos meus”. Quem dera que esse tipo de erro só estivesse nessa canção! Mas, infelizmente, é muito comum escutar uma heresia dessas!

 

Na fila do Estação Net Rio, ouvi uma moça ao celular: “É pra mim comprar o seu ingresso ou não é?”. Numa padaria da Voluntários: “não dá pra mim trocar 100 reais!”.

 

O uso indevido do “mim” nesse tipo de frase não tem o menor cabimento! A gente não fala, por exemplo, “ele deu o livro para te leres”. Ou seja, não se usa pronome oblíquo como sujeito.  O certo seria usar o pronome pessoal reto “tu”: ele deu o livro para tu leres.

 

Da mesma forma é com o “mim” e com o “eu”.

 

Observem:

 

Ele deu o livro para mim.

 

Ele deu o livro para eu ler.

 

Na primeira oração, o “mim” é um complemento (no caso, complemento verbal, um objeto indireto). Já na segunda oração, o “eu” é sujeito (quem pratica a ação) de um verbo no infinitivo: “para eu ler”.

 

Então, nada de “mim ler”, “mim comer”, “mim fazer”, por favor!!!

 

 

* Entenda que função subjetiva é função de sujeito, enquanto função objetiva é função de complemento verbal (objeto direto ou indireto). 

 

 

* Carla Paes Leme é jornalista, revisora e dá aulas particulares de gramática desde a juventude. Atualmente, cumpre, diariamente, a missão dada, do Além, por Machado de Assis: preservar o Português, que, ao menos em Botafogo, há de ser imortal.

 

Artigos anteriores

 

Missão dada é missão cumprida

Mas eu quero é mais

Salvem o Português! Devolvam suas preposições!

Venha para aula você também, venha!

Para não confundir a fruta com a cor

Conjunção perifrástica não é palavrão

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload