© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Antonio Augusto Brito

Pasmado – histórias e polêmicas


O Morro do Pasmado – de onde se tem a mais bela vista da Praia de Botafogo – vem sendo objeto de polêmicas desde os tempos do Império, quando passou a integrar o anedotário político do Segundo Reinado.

A discussão do momento é o projeto de construção, no alto do morro, de um memorial em homenagem às vítimas do holocausto – em forma de um monólito de 20 metros de altura –, ocupando área pública de proteção ambiental e paisagística. A associação de moradores é contra, assim como os órgãos de preservação.

No século passado, o assunto foi a remoção forçada dos moradores da favela urbanizada do Pasmado para os confins de Vila Kennedy, num processo de “higienização” tornado possível após o golpe militar de 1964. O primeiro incêndio programado de uma favela de que se tem notícia abriu caminho para novo ciclo de especulação imobiliária no bairro.

Mas o morro – que antes se chamou Pedreira do Matias e Morro do Suzano – já é assunto há muito mais tempo. Pelo menos desde a época do parlamentarismo monárquico de D. Pedro II, em que os partidos conservador e liberal se digladiavam pelo poder.

“Ministério do Pasmado” foi o apelido jocoso dado ao 18º gabinete ministerial do Segundo Reinado, que ficou no poder entre 30 de maio de 1862 e 15 de janeiro de 1864. A alcunha, provavelmente criada por seus opositores, é um acrônimo com nomes de alguns de seus ministros: Polidoro Jordão, Marquês de Abrantes, João Lins Vieira de Sinimbu, Visconde de Maranguape, Joaquim Raimundo De Lamare e Marquês de Olinda. O termo “pasmado” – significando ali “desprovido de vivacidade” – ironiza a idade avançada de seus membros: o mais novo deles tinha 51 anos e o mais velho, 69, enquanto a expectativa de vida do brasileiro era de pouco mais de 30 anos. Há quem atribua ao apelido do ministério o nome do morro, mas isso não passa de lenda. O “pasmado” do morro significa o espanto com a vista “de pasmar”.

Conhecido também como “ministério dos velhos”, o 18º gabinete enfrentou a Questão Christie – uma crise diplomática que resultou no rompimento de relações diplomáticas com o Império Britânico – e também as disputas diplomáticas na Região Platina, que levariam ao início da Guerra do Paraguai, em dezembro de 1964.

Três integrantes do Ministério Pasmado viraram nomes de rua em Botafogo: Marquês de Olinda, Marquês de Abrantes e General Polidoro. Esta última chamava-se Berquó e só mudou de nome em 1880, um ano após a morte do general, seu mais célebre morador.

Ministério Pasmado: Polidoro, Abrantes, Sinimbu, Maranguape, De Lamare e Olinda

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

Outras histórias

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Guerra e Paz

O endereço mais famoso de Botafogo

Botafogo nas telas de pintores viajantes

Sorriso negro de Botafogo

Tráfico ilegal de escravos em Botafogo

O historiador caboclo de Botafogo

Jacob do Bandolim em Botafogo

Um regente do Império em Botafogo

Desaparecido

Tragam seus mortos

Solo sagrado de Botafogo

Craque com fama de rebelde

#botafogo #MorrodoPasmado #FaveladoPasmado #GeneralPolidoro #MarquêsdeAbrantes #MarquêsdeOlinda #ViscondedeMaranguape #JoãoSinimbu #JoaquimDeLamare

151 visualizações