© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Lucio Valentim

Instinto


A escola realista no Brasil gerou frutos variados.

Abarcando tanto a prosa quanto a poesia, o movimento equivaleu ao penúltimo cartel do século XIX, mantendo entre nós forte parentesco com o estilo naturalista. Daí o uso do termo composto – e genérico – realismo-naturalismo.

Grosso modo, enquanto o primeiro estilo ocupava-se com aspectos psicológicos do homem, o segundo concentrar-se-ia mais na faceta instintual e biológica que envolve as ações humanas. Na primeira vertente, o representante máximo seria Machado de Assis; na vertente naturalista – menos aclamada –, a principal referência é Aluísio Azevedo, sobretudo em textos como O Mulato, Casa de Pensão ou O Cortiço.

Foi a partir da visão naturalista de mundo, inclusive, que certos temas bastardos e tabus viriam à tona: o mulato ilustrado, educado na Europa é, possivelmente, o primeiro gay da prosa brasileira – e sua repercussão negativa obrigou Aluísio Azevedo a fugir para o Rio de Janeiro.

O cearense Adolfo Caminha – menos conhecido de todos – além de relatar em A Normalista a chocante história de um incesto entre a protagonista e o próprio padrinho, iria abalar ainda mais o conservadorismo tupiniquim com o Bom Crioulo, radicalizando o estigma retratado pelo homossexual mulato, de Azevedo: o seu personagem, além de gay é “crioulo” – e marujo.

Adolfo nos brindaria, por fim, com Tentação, história do casal provinciano – Adelaide e Evaristo – que vem para a Corte viver num chalé no chique e extremamente tentador Botafogo, em casa de amigos. De acordo com o anfitrião:

(...) a nossa casa, em Botafogo, se não é um palácio, também não é uma choupana (...) E concluía instando para que o amigo fizesse um sacrifício, abandonasse aquela vida de província pela civilização (...), por um chalezinho em Botafogo.

Uma vez na Corte, os matutos rumam a conhecer a casa do amigo:

Horas depois rodava um carro para Botafogo, conduzindo Evaristo de Holanda, a mulher e Luís Furtado. A residência deste era uma excelente casa de dois andares, vistosa, olhando para o Corcovado, nas imediações do cemitério de S. João Batista.

Ocorre é que, cheio de vícios cortesãos, Luís Furtado, anfitrião e alto funcionário na Corte, passara a nutrir cobiças pela mulher do amigo – almejando comê-la:

O secretário viu-a no dia da chegada e admirou-a intimamente, com olhadelas furtivas e traiçoeiras, enquanto o carro rodava para Botafogo. Ria, e o seu riso tinha um tique muito delicado, muito nobre, muito fino (...)

Adelaide, deslumbrada que estava com a vida do highlife, demorara a perceber o covil no qual o casal, voluntariamente, adentrava:

(...) a vida em Botafogo tinha qualquer coisa da vida em Petrópolis, era como um prolongamento do highlife, cuja sede firmara-se na antiga colônia alemã (...)

Acabou mantendo amizade com a mulher do homem que a cortejava, e a promiscuidade entre ambas se acirraria bairro adentro:

(...) E saíram de chapéu-de-sol aberto, uma jovialidade infantil, pelas ruas de Botafogo, a tomar o bonde. Os passageiros olhavam-nas com esse olhar curioso e indiscreto que às vezes confunde uma mulher honesta com uma horizontal.

Porém, se Botafogo era veneno e tesão na mente da casta moça interiorana,

(...) no meio de todas essas coisas erguia-se o vulto de um homem (...), que absolutamente não se parecia com aquele que ali estava a seu lado (...) um extraordinário medo apoderava-se dela, um pavor inexplicável (...) “a tentação”, chamando-a para o mistério do gozo e para a desonra, num apelo fidalgo de cavalheiro do Amor, num requinte donjuanesco de volúpia mundana...

só havia uma solução. A mais radical e, quiçá, menos realista possível:

— Vamo-nos daqui (...) Mudemo-nos de uma vez... Abandonemos este Rio de Janeiro, que é um inferno... uma tentação! Para longe deste inferno!, para longe desta porqueira! Vive-se melhor, mais barato e mais honradamente na obscuridade da província, criando galinhas ou plantando jerimuns. Estou farta de aturar a pedantocracia de Botafogo!

*Lucio Valentim é professor de Literaturas, doutor em Letras Vernáculas e pesquisador visitante no Programa Avançado de Cultura Contemporânea (PACC) da UFRJ

Artigos anteriores

Baudelaire tupiniquim

Cabeça de porco

Triângulos machadianos

Cronistas de época

Vinicius: primeiro amor em Botafogo

Botafogo do caos surreal

O cego mascando chicles

Pisava nos astros

Bandeira em Botafogo

Leite derramado em Botafogo

Existirmos

Hospício

Botafogo épico

Baú de ossos

Farofa mecânica

Drummond carioca

Clarão de Clarice

Roda da fortuna

Amor mendigo

Último baile

O dono do Dona

Corno manso

Questão de ordem!

Onde está Waly?

Animal poético

Luz de Lucinda

Bah, Bilac!

O que disse Rui

Nelson bota(va) fogo

Mineirices

O alienígena

Moradas

A pena de Alencar

Ilustre desconhecido

Folhetim

Do bar

Casarão

Ave, Silviano!

Arte palavra

Rumo de Braga

Corte cirúrgico

Samba na literatura

Cecília

Febeapá

Sem champanhe

Desbunde em Bota

Trem doido

Bairro adentro

Bárbaro

Napoleão em Botafogo

Ebó em Bota

Luz no túnel

Morte anunciada

Tiro, porrada e bomba!

Mordidelas ao pescoço

Aos 20

Mecenas...

#botafogo #AluísiodeAzevedo #AdolfoCaminha #Tentação #OMulato #CasadePensão #OBomCrioulo #ANormalista

35 visualizações