© 2017 CURTA BOTAFOGO | Direitos reservados | Reprodução autorizada desde que citada a fonte. 

  • Antonio Augusto Brito

O endereço mais famoso de Botafogo


Os edifícios São João Marcos e Paraopeba, casa de Carlota Joaquina e Palacete Abrantes

Ali moraram uma rainha, um marquês, um visconde e até mesmo um dos filhos da “Imperatriz do Tijuco”

Nos números 142 e 144 da Praia de Botafogo, ficam os imponentes edifícios São João Marcos e Paraopeba. Eles foram projetados em estilo Luis XVI pelo arquiteto francês Joseph Gire, autor de alguns dos mais famosos projetos arquitetônicos da cidade, como o Palácio das Laranjeiras (1909), o Hotel Glória (1922), o Copacabana Palace (1923) e o Edifício Joseph Gire (1930) – mais conhecido como edifício A Noite.

Os nomes São João Marcos e Paraopeba foram dados em homenagem a dois nobres do tempo do Império, apesar de sua inauguração ter sido em 1938, quase 50 anos depois da proclamação da República.

Pouco importava. Títulos de nobreza sempre deram prestígio, embora, no tempo do Império, fossem outorgados a quem pudesse pagar por eles ou tivesse bom trânsito na Corte. Era o caso de Romualdo José Monteiro de Barros – Barão de Paraopeba (1756-1855), político e proprietário de rica lavra de ouro e de uma fundição de ferro em São Paulo – e de Pedro Dias Paes Leme da Câmara (1772-1868) – Barão com Grandeza e Marquês de São João Marcos, Guarda-Mor Geral de todas as Minas do Brasil e 3º Senhor da propriedade de São João Marcos, por onde passavam todas as pedras preciosas vindas de Minas Gerais.

Pedras preciosas também eram o negócio do contratador João Fernandes de Oliveira, mais conhecido como companheiro da ex-escrava do Tijuco (hoje, Diamantina) Chica da Silva, com quem teve 13 filhos. Um deles era José Fernandes, primeiro morador daquele endereço da Praia de Botafogo, na esquina com o Caminho Novo de Botafogo (atual rua Marquês de Abrantes), onde então havia uma chácara, com jardim central em estilo inglês e uma ampla casa.

Com a chegada da Corte Portuguesa ao Rio de Janeiro, em 1808, a casa de José Fernandes foi requisitada para moradia da rainha Carlota Joaquina, esposa de D. João VI, com quem não vivia maritalmente. Ela ficou nesse endereço até o retorno da Corte para Portugal, em 1821. Mais tarde, após as mortes de D. João VI e Carlota Joaquina, a casa foi vendida ao Marquês de Abrantes. Quando ele morreu, a residência passou ao Visconde Silva, com quem a viúva do marquês havia se casado.

A casa – que, ao longo dos anos, havia passado por diversas reformas até virar palácio – foi demolida em 1918 para dar lugar, vinte anos depois, aos dois edifícios de Joseph Gire. Sua arquitetura impressiona aos mais atentos, embora os nomes tenham, com o tempo, perdido significado, mesmo em um bairro em que até confeitaria tem nome de Imperial.

Detalhes das fachadas dos dois edifícios

* Antonio Augusto Brito é jornalista e adora história do Brasil

Outras histórias

Quem foram os voluntários da pátria?

A origem nada santa da rua São Clemente

Por que aquele canto da praia é chamado de Mourisco?

Dezenove de Fevereiro: de Pernambuco a Botafogo

Já se curtia Botafogo no tempo das diligências

Palácio da Cidade e dos cariocas

Botafogo é a melhor diversão

A rua mais antiga de Botafogo

Em terra de santa, quem batiza rua é padre

Nada é para sempre

Palácio dos Loucos

Eram todos policarpos

O crime que abalou o Rio

Rema, rema, rema, remador...

Igreja de Botafogo pode virar local de peregrinação

O general, o cachorro e a estátua viajante

O ex-futuro barão que vivia em Botafogo

Afonso Arinos

Saliência em Botafogo

Uma padaria de Botafogo na história do rádio

O fim trágico do Dr. Arnaldo Quintella

Sempre é tempo de Glauber

Árvore de 150 anos faz parte da história de Botafogo

Triângulo amoroso no high society

Um arquiteto de duas cidades

Casado com a inimiga

Jorge Street, o "industrial socialista"

Botafogo dos bambas

O Velho Guerreiro já morou em Botafogo

Lembranças de um gênio esquecido

O combate da rua da Passagem

Prazer e negócios

Da tragédia à solidariedade

Garota de Botafogo

Morte nos ares

Ziriguidum em Botafogo

Libertadores das Américas

José do Patrocínio e a Torturadora de Botafogo

Os limites de Botafogo

Foliões de Botafogo

Amor proibido

"Pai do Automobilismo" em Botafogo

O advogado do diabo e os ossos de Dana de Teffé

Biscoito Globo, sal e doce!

Fogo na Favela do Pasmado ou como nascem as Marielles

A infância em Botafogo de Luís Carlos Prestes

Guerra e Paz

#botafogo #joséfernandes #carlotajoaquina #paraopeba #sãojoãomarcos #josephgire

608 visualizações